O general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército e atual assessor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), criticou o posicionamento dos bispos da Igreja Católica sobre as questões ambientais brasileiras e disse que a igreja adquiriu “viés político”


Intimidação do general Villas Bôas é uma ameaça ao país (Foto: Isac Nóbrega/PR)

247 - Ex-comandante do Exército e atual assessor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Eduardo Villas Bôas, criticou o posicionamento dos bispos da Igreja Católica em carta aberta sobre as questões ambientais. Segundo ele, a igreja adquiriu “viés político”.

Enquanto líderes da igrejas evangélicas usam as redes sociais para se posiconar em favor de políticas adotadas pelo governo de Jair Bolsonaro e atacar a oposição, Villas Bôas manifestou incômodo quanto às críticas feitas pelos bispos em documento elaborado pelo cardeal Dom Cláudio Hummes, relator e porta-voz do papa Francisco sobre o assunto.


Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o general admitiu que o governo não gostou dos temas do Sínodo, a ser realizado no mês que vem, em Roma. "Estamos preocupados, sim, com o que pode sair de lá, no relatório final, com as suas deliberações. E, depois, como tudo isso vai chegar à opinião pública internacional porque, certamente, vai ser explorado pelos ambientalistas. Agora, que fique claro: não vamos admitir interferência em questões internas do nosso País. Lá, nas discussões, as coisas se misturam e o Sínodo escapou para questões ambientais e também tem o viés político", disse.

Ainda sobre carta escrita por bispos, que na semana passada se queixaram de serem tratados como “inimigos da Pátria”, Villa Bôas disse que “eles não são inimigos, mas estão pautados por uma série de dados distorcidos, que não correspondem à realidade do que acontece na Amazônia”.


Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem