Sábado, todos protestos contra o bolsonarismo terão espaço

por Isaías Dalle, Fundação Perseu Abramo

No próximo sábado, 7 de setembro, haverá espaço para todo e qualquer protesto contra o bolsonarismo. Não importa qual a bandeira ou a causa.

Naquele que é considerado pela historiografia oficial o Dia da Independência, vão ocorrer o Grito dos Excluídos e manifestações estudantis. A programação de ambos será unificada em grande parte do país.

“Todas as lutas contra a destruição do Brasil cabem no Grito”, resume Raimundo Bonfim, coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), uma das entidades organizadoras do Grito dos Excluídos. A data, criada em 1995 por decisão da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), chega à sua 25a edição.

“A pauta maior é a denúncia do aumento da exclusão social. Na primeira edição, foi exatamente para isso: denunciar o aumento do desemprego, da pobreza e da miséria. Nosso guarda-chuva é a questão da desigualdade social. Junto com isso vem tudo: habitação, educação, meio ambiente, SUS, direitos humanos. Queremos denunciar a concentração de renda. Ao mesmo tempo que aumenta a pobreza, a renda dos mais ricos está aumentando. Temos 23 milhões em estado de pobreza, e junto com isso, no Brasil, a gente vive um desmonte da rede de proteção social”, explica Raimundo.

Os estudantes também participam das mobilizações. Desta vez, com a orientação de vestirem preto e pintarem os rostos de verde e amarelo. A ideia remete imediatamente à lembrança dos períodos que antecederam a queda do ex-presidente Fernando Collor, que em 13 de agosto (que senso de oportunidade) de 1992 pediu que as pessoas que o apoiavam vestissem as cores da bandeira no dia seguinte. Muita gente vestiu preto naquela ocasião. Era o início do fim.

“Num primeiro momento, o que a gente quer fazer é mesmo recuperar a memória do que ocorreu, porque acho que isso remete à uma organização de luta contra um governo que destrói e ataca em todas as frentes”, explica Iago Montalvão, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

“O outro elemento dessas manifestações é a disputa de símbolos. O preto significa justamente uma crítica contra tudo que tem sido feito com o Brasil, por isso a cara pintada e o preto”, completa Iago. “Mas só queria dizer que nós não temos ainda uma posição definida a respeito de impeachment ou queda do presidente”, adverte.

O tema original do Grito dos Excluídos para este ano é Este Sistema não Vale, em alusão aos crimes ambientais da empresa Vale, em Minas Gerais, um símbolo do sistema capitalista como um todo, que é, na verdade, o alvo maior dos protestos.

“O Dia do Fogo ampliou o alcance desse tema. As queimadas são a continuidade de um processo que já vem há muito tempo, que é o desmatamento, e de avanço do capitalismo sobre os recursos naturais. Então, esse fogo não é ocasional, mas está sendo ampliado pelas políticas do governo Bolsonaro, que está a animar, a incentivar a extração de madeira. Ao mesmo tempo, é um governo que despreza a produção e o conhecimento científico, o trabalho dos órgãos de fiscalização e proteção”, conta Adriana Novaes, do MST, entidade que, como a UNE, posicionou a defesa do meio ambiente como uma das prioridades de seu calendário de lutas, na expectativa de atrair setores até então refratários às mobilizações.

Adriana conta também que, em São Paulo, a denúncia da criminalização dos movimentos populares terá grande destaque nas manifestações.

“Temos quatro presos políticos aí – Sidney, Ednalva, Preta Ferreira e o Lula. Temos a compreensão que a prisão do Lula é uma afronta à democracia” diz ela, em referência às lideranças dos movimentos de moradia presas na capital paulista acusadas de extorsão e ao ex-presidente da República.

Além das manifestações, as atividades do Grito dos Excluídos terão missa em paróquias (aos sábados, as missas ocorrem às 18h), distribuição de alimentos à população de rua e aulas públicas.

Na regional do MST em Campinas, o ato terá como bandeira principal a defesa do acampamento Marielle Vive, localizado em Valinhos (SP).

Esse acampamento foi alvo de ataque criminoso em 18 de julho, quando um motorista premeditadamente atropelou e matou o sem-terra Luís Ferreira da Costa, durante atividade política realizada às margens de uma rodovia.

O acampamento, por sua vez, é alvo de perseguição por parte do Judiciário local, da prefeitura de Valinhos e de parte da população.

A expectativa das lideranças dos movimentos sociais envolvidos é que essa edição do Grito dos Excluídos atraia mais participantes que as anteriores.

“Acreditamos que o Grito se massifique muito, por conta desse governo que promove a destruição, o desmonte do país. Acho que vai haver uma atenção maior da mídia, em função da conjuntura e da articulação que está acontecendo, e acreditamos que a participação será além dos movimentos organizados” aposta Adriana.

O Grito e as mobilizações estudantis têm participação, entre outras entidades, das centrais sindicais, da marcha Mundial de Mulheres, do Levante Popular da Juventude, do Movimento dos Atingidos por Barragens, do MST, UNE e CMP.

Confira a programação. É importante destacar que, por seu caráter descentralizado, o Grito dos Excluídos e as manifestações estudantis podem acontecer em outros locais além dos anunciados. A organização estima que haverá atos em 157 municípios.



Viomundo

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem