O indigenista Maxciel Pereira dos Santos foi assassinado, com dois tiros, na frente de seus familiares na cidade de Tabatinga, extremo oeste da Amazônia brasileira. De acordo com a Indigenistas Associados (INA), associação de servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai), por meio de informação divulgada no domingo, 8 de setembro, ele foi morto com um tiro na nuca, em uma via movimentada da cidade. 

(foto reprodução – facebook/ggn)

Santos era colaborador da Funai e ex-servidor da instituição, como chefe do Serviço de Gestão Ambiental e Territorial do Vale do Javari. Pessoas próximas acreditam que o crime foi motivado pela seu trabalho no combate a invasões ilegais na reserva do Vale do Javari, área conhecida por abrigar a maior presença de tribos indígenas não contactadas do mundo.

A figura de Santos era uma das únicas barreiras contra caçadores, madeireiros e mineradores em defesa das oito tribos indígenas e cerca de 16 tribos não contactadas da reserva. A Funai tem três sedes na região para proteção dos indígenas.

Em nota, a INA mostrou preocupação e destacou que a suspeita do crime está ligado a atuação de Santos na área. A instituição pediu a investigação do caso.

“Este episódio trágico e extremo se soma a muitos outros. Nos mais diferentes contextos, da Amazônia à região Sul do país, indígenas, servidores e colaboradores atuam em condições precárias e insuficientes na proteção de Terras Indígenas. Por conta da participação em ações de combate a ilícitos nesses territórios, encontram-se cada vez mais ameaçados e vulneráveis”, disse a INA.

Já a Funai lamentou o crime e seu presidente, Marcelo Xavier, afirmou que irá a Manaus (AM) para se reunir com autoridades de segurança pública, a fim de acompanhar a solução do caso.

“A morte de Maxciel representa uma grande perda para a Fundação, deixando todos sensibilizados”, destacou a nota. (Do GGN)


Carta Campinas

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem