O desejo foi anunciado pelo CEO da Huawei que, no entanto, não avançou valores nem possíveis “pretendentes”.


A Huawei está a apostar numa estratégia no mínimo invulgar para aumentar as probabilidades de “sobrevivência” da empresa. Numa entrevista que concedeu ao The Economist, o CEO da Huawei, Ren Zhengfei, afirmou que a fabricante chinesa está preparada para vender os direitos de autor de todas as suas patentes 5G numa única oferta. O objetivo? Criar um concorrente da gigante tecnológica, que poderá potenciar a “sobrevivência da empresa”, defende.

De acordo com a informação divulgada por Ren Zhengfei, a Huawei está a vender pacotes de patentes, licenças, códigos e projetos técnicos de 5G numa única transação, para uma distribuição de interesses mais balançada. A estratégia pretende fazer face às preocupações no Ocidente sobre o domínio da Huawei no 5G, juntamente com as preocupações de segurança nacional do governo de Donald Trump, que já veio dizer que quer liderar liderar no 5G e até no 6G.

Quanto ao valor e aos “pretendentes”, o CEO da empresa não avançou pormenores, dizendo apenas que "não fazia ideia" de quem poderia estar interessado em comprar a proposta da Huawei. Ainda assim, o jornal fala na possibilidade de várias dezenas de mil milhões de dólares, dada a quantidade de dinheiro que a empresa investiu em investigação.

Numa altura em que o impasse do governo americano em relação às sanções impostas à Huawei é evidente, Ren Zhengfei já tinha falado na necessidade de ativar o “modo de batalha” para enfrentar os Estados Unidos. Ainda no final de agosto, Donald Trump decidiu alargar por mais 90 dias o período de suspensão das sanções à fabricante Chinesa, que deve terminar a 16 de novembro, mas mais recentemente o Presidente dos Estados Unidos afirmou que atualmente não há interesse em incluir a Huawei nas negociações que possam surgir quanto a um futuro acordo comercial com a China.

Na semana passada, na IFA 2019, o responsável pelo negócio de consumo da empresa chinesa na Europa, afirmou que abandonar os mercados americano e europeu, mantendo-se a crise, “não era uma opção”. Walter Ji defendeu, ainda, que não faz sentido desistir do mercado dos smartphones quando acaba de introduzir no mercado aquele que considera ser o processador mais poderoso destinado a um dispositivo móvel. E quanto à possível proibição da Google em relação à utilização do seu sistema operativo em futuros dispositivos não fez nenhum comentário.

Agora não está claro se a estratégia adotada pelo CEO da Huawei poderia apaziguar a relação com os Estados Unidos, se a China aprova a venda ou se a Huawei vai encontrar um comprador. Resta aguardar pelos próximos capítulos.


Tek

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem