Desigualdade social, ataques à soberania e destruição da educação pública e da Amazônia são pautas da manifestação

Brasil de Fato | São Paulo (SP)



Protesto em São Paulo reuniu milhares de manifestantes desde o início da manhã / Dino Santos/CUT


Milhares de brasileiros estão nas ruas neste sábado (7) contra os retrocessos promovidos por Jair Bolsonaro (PSL). A 25ª edição do "Grito dos Excluídos" denuncia as ações do atual governo contra a educação pública e o desmatamento na Amazônia e tem o reforço de estudantes, que realizam mais uma jornada de lutas contra os cortes nas universidades federais. Confira em breve a reportagem completa com o balanço dos atos pelo Brasil.

O Ministério da Educação (MEC) divulgou esta semana que, em 2020, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes) só terá metade do orçamento de 2019. Na proposta de orçamento para o ano que vem, a perda prevista para a pasta é de 9%

Os atos acontecem pela manhã em estados como São Paulo, Ceará, Amazonas, Sergipe, Pará, Belo Horizonte, além do Distrito Federal. Segundo a Central dos Movimentos Populares (CMP), 132 cidades participam do Grito. O lema das mobilizações deste ano é "Este sistema não vale: lutamos por justiça, direitos e liberdade".

Em São Paulo (SP), o ato começou às 9h, na praça Oswaldo Cruz. “Há 25 anos denunciamos a desigualdade social, o desemprego e a falta de políticas públicas. Mas, neste ano, dois temas da conjuntura ganharam força: os ataques à educação, com o congelamento de quase R$ 6 bilhões de reais, a perseguição contra reitores e entidades estudantis. Além disso, há o meio ambiente e a destruição da floresta amazônica”, explicou Raimundo Bonfim, coordenador nacional da CMP.

"Força, Brasil! Coragem. Vai passar", disse o escritor português Valter Hugo Mãe, que participa do ato em São Paulo. Ele afirmou que se solidariza com "a luta de todas as pessoas que estão a ser discriminadas pelo regime no Brasil", e ressaltou: "Todas as minorias juntas são, afinal, a maioria".



Entre os manifestantes, há muitos estudantes vestindo camisetas pretas e com o rosto pintado de verde-amarelo. A escolha é uma provocação ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), que pediu que a população saia às ruas neste 7 de setembro, dia da Independência do Brasil, vestindo verde-amarelo.



Aos 20 anos, Nicolas participou do Grito dos Excluídos pela primeira vez, em Brasília. (Foto: Cristiane Sampaio)

“Este 7 de Setembro é um marco pra eles, que defendem tanto a bandeira do Brasil, mas, na verdade, só querem entregar as riquezas nacionais. O mais importante é, neste momento, a gente se mobilizar contra o governo, que está tirando cada vez mais direitos”, afirmou o estudante Nicolas Nascimento, de 20 anos.

A professora Vilmara Pereira questionou o projeto de militarização imposto por Bolsonaro. Na última quinta-feira (5), o capitão reformado assinou um decreto que propõe implantar o modelo cívico-militar em 216 escolas até 2023. “O objetivo é ganhar o senso comum falando que está levando segurança para dentro das escolas, levando disciplina, quando, na verdade, há um cerceamento da liberdade, da capacidade de desenvolver o processo de aprendizagem", criticou.


Planejamento do governo federal propõe a militarização de 54 escolas nos próximos 4 anos. (Foto: Cristiane Sampaio)

Além da CMP, participam dos atos a UEE, a Marcha Mundial das Mulheres, a UMM, a FLM, a CUT, entre outras entidades.

Edição: Guilherme Henrique


Brasil de Fato

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem