Assembleia realizada em São Paulo, na noite de terça-feira. Foto: Sintect-SP

Os trabalhadores dos Correios aprovaram, em assembleias na noite desta terça-feira, 10, greve nacional por tempo indeterminado, a partir das 22 horas, em defesa de reajuste salarial e benefícios, ameaçados pela direção da empresa, que se recusa a negociar.

Assembleias em São Paulo, Rio de Janeiro, Bauru, Tocantins, Maranhão, e outros estados, também repudiaram o plano do governo de privatização da empresa. Em São Paulo, cerca de 5 mil trabalhadores participaram da assembleia no clube da CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos).



“Cerca de 80% das agências vão aderir à greve. Foram 36 sindicatos que em conjunto e com decisão unânime decidiram pela paralisação”, afirma Douglas Cristóvão de Melo, diretor de comunicação do Sintect (Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares de São Paulo, Grande São Paulo e zona postal de Sorocaba) e da Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios). Outras assembleias ainda ocorrerão nesta semana.

“A direção da ECT e o governo querem reduzir radicalmente salários e benefícios para diminuir custos e privatizar os Correios. Entregar o setor postal a empresários loucos por lucro. Jogar no lixo o atendimento a todos os cidadãos, a segurança nacional envolvida nas operações, a integração nacional promovida pelos Correios”, afirma o Sindicato.

“Infelizmente não restou alternativa. Para manter nosso Acordo Coletivo, repor as perdas aos salários e manter os empregos vamos ter que lutar. E tem que ser todo mundo junto e unido em cada setor e nacionalmente”.

As negociações para um novo acordo coletivo ocorrem desde julho e, no dia 4 de setembro, a direção da empresa rejeitou a mediação da negociação pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) com funcionários, recusando-se a manter por 30 dias o acordo coletivo vigente.

A categoria defende reajuste salarial pela inflação, de 3,43%, e a manutenção de benefícios, como ter os pais como dependentes no plano de saúde, continuidade de percentual de férias em 70% e vales alimentação e refeição.

No entanto, a proposta da empresa previa reajuste salarial abaixo da inflação, de 0,8%, e a exclusão dos pais de planos de saúde também é um ponto sensível na negociação.

“A intenção do governo e da direção da ECT é acabar com os benefícios da categoria”, afirma a nota do Sindicato, ressaltando que agora “vamos juntos mostrar à direção da ECT e ao Governo Federal que não aceitamos destruição do nosso Correios, dos nossos direitos, dos nossos empregos e salários, do sustento das nossas famílias”.


Hora do Povo

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem