Alcides Valeriano de Faria Junior e Daniel R. Walrath no “Forte Apache”, em Brasília. Foto: Reprodução

Publicado originalmente no Come Ananás
POR HUGO SOUZA


Na última terça-feira, 10, o comandante do Exército Sul dos Estados Unidos da América, Major-General Daniel R. Walrath, esteve no Quartel-General do Exército (QGEx), em Brasília, onde conheceu a Sala de Comando e Controle do Comando de Operações Terrestres (COTER) e o Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), além de um punhado de generais brasileiros de divisão.

Daniel, my brother, foi recebido no “Forte Apache”, como é conhecido o QG do Exército em Brasília, pelo comandante do Exército brasileiro, Edson Leal Pujol, esse sim escolhido por Jair Bolsonaro respeitando a lista tríplice – a da caserna.

Quem acompanhou o Major-General Daniel R. Walrath na passagem em revista das tropas tupinambás foi Alcides Valeriano de Faria Junior, General da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada do Exército Brasileiro mas que desde o início do ano é “subcomandante de interoperabilidade” do Exército Sul do USA.

Trata-se do primeiro general brasileiro (oficialmente) subordinado ao Pentágono, “sem mimimi”, por assim dizer.

O site do Exército Brasileiro, por conta da visita oficial do comandante ianque e de seu imediato apache, ou melhor, tupinambá, informa que:

“O Exército Sul dos Estados Unidos (United States Army South) é um componente do Comando Sul daquele país e está sediado no Fort Sam Houston, na cidade de San Antonio. Sua zona de responsabilidade inclui 31 países e 15 áreas de soberania espacial nas Américas Central e do Sul, além do Caribe, tendo a missão de conduzir e apoiar operações de cunho multinacional”.

“Soberania espacial”. E não estamos falando da Lua. Talvez da base da Alcântara, que o governo Bolsonaro que alugar aos EUA, para os EUA lançarem foguetes ao espaço, sob a condição de que o Brasil não poderá lançar os seus próprios dali, do litoral do Maranhão.
Provisória, hein?

Daniel R. Walrath conheceu também o Salão Guararapes, que fica na entrada do “Forte Apache”. Está lá, no salão, a “Bandeira Provisória da República”, que vigorou (oficialmente) como símbolo oficial do Brasil durante não mais que quatro dias, de 15 a 19 de novembro de 1889. Esta, com treze listras horizontais e um retângulo azul com estrelas brancas no quadrante superior esquerdo:

Provisória, hein?


DCM

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem