Promotoria investiga também a prática de 'rachadinha', crime pelo qual o irmão Flávio também é investigado

Por Jornal GGN
-12/09/2019

Fonte: Arquivo Pessoal/Instagram

Jornal GGN – O Ministério Público do Rio de Janeiro abriu dois procedimentos para investigar o vereador Carlos Bolsonaro (PSC), suspeito de contratar funcionários em seu gabinete e de praticar a famosa “rachadinha”, quando o servidor devolve parte do salário para o parlamentar. A informação é da revista Época.

Segundo o site de notícias, as investigações foram abertas com base em uma reportagem divulgada em junho que revelou que Carlos e o irmão Flávio Bolsonaro (atual Senador e ex-deputado) empregaram 17 parentes da sua madrasta (segunda ex-esposa de Bolsonaro) Ana Cristina Valle.

Alguns dos ex-funcionários jamais frequentaram os prédios onde deveriam atuar nas vagas para as quais foram nomeadas, como uma cunhada e um ex-cunhado de Ana Cristina Valle que sempre moraram em Minas Gerais.

O indício da prática de nepotismo e cabide de empregos partiu da investigação iniciada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro com a quebra dos sigilos fiscal e bancário de 86 pessoas, entre elas ex-assessores de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) quando deputado estadual no Rio.

A quebra foi solicitada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro para apurar se ex-funcionários do atual senador devolviam parte de seus salários para o parlamentar, a chamada “rachadinha”. A suspeita surgiu quando o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) registrou uma movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, ex-chefe de segurança de Flávio.

Dos 17 parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente, nove são alvos da investigação do MP do Rio.

A revista Época destaca que, dos sete funcionários que trabalharam no gabinete de Carlos Bolsonaro, dois admitiram à reportagem que, embora estivessem nomeados, nunca trabalharam para o vereador. Os procuradores investigam ainda suspeita de outros três profissionais que nunca deram expediente na Câmara.

As duas investigações abertas foram confirmadas à imprensa a partir da Lei de Acesso à Informação. Os procedimentos, porém, não foram disponibilizados porque tramitam sob segredo de justiça.

O responsável pela investigação criminal é o procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, com apoio do Grupo de Atribuição Originária Criminal (Gaocrim). Na esfera cível, a investigação corre na 8ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da capital do Rio.

Marta Valle, cunhada de Ana Cristina Valle e professora de educação infantil é uma das investigadas. Ela mora em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ela aparece como contratada no gabinete de Carlos entre novembro de 2001 a março de 2009, chegando a receber um salário bruto de R$ 9.600 que, com os auxílios, alcançava R$ 17 mil. Ela sequer teve um crachá como assessora, segundo informações da Câmara dos Vereadores.

Gilmar Marques, ex-cunhado de Ana Cristina Valle, é outro investigado. Ele reside em Rio Pomba, em Minas Gerais e chegou a receber um salário bruto de R$ 7.900 que com os auxílios alcançava R$ 14 mil. Ele também não nunca obteve um crachá da Câmara Municipal do Rio.


GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem