Quadros mais expressivos do MPF não aceitarão cargos na gestão de Aras e só ocuparão os espaços administrativos em que a escolha é feita entre membros da carreira.


Severino Motta
Repórter do BuzzFeed News, Brasil

A indicação do presidente Jair Bolsonaro, que escolheu Augusto Aras para comandar o Ministério Público Federal no lugar de Raquel Dodge, deu início a uma rebelião entre procuradores da República.


STF
Augusto Aras

Os quadros com maior expressão na carreira, em sua maioria ligados à Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) e defensores da lista tríplice para nomeação do procurador-geral, prometem não ocupar cargos de indicação do procurador-geral da República caso Aras venha a ter seu nome aprovado pelo Senado e efetivamente assuma o comando da instituição.

Com isso, Aras terá que buscar integrantes com menor liderança na carreira para ocupar importantes postos de sua gestão, como os de vice-PGR e o de vice-procurador-geral Eleitoral.

Além de substituir o PGR em caso de ausência, o vice é responsável por julgamentos na corte especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Já o vice-eleitoral representa o procurador-geral no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Entre os cargos que os procuradores ligados à ANPR e que defendem a lista tríplice também pretendem se recusar a assumir estão postos como o de secretário-geral do MPF e as demais secretarias ligadas ao gabinete, como as de cooperação internacional, direitos humanos e assuntos criminais, entre outras.

Haverá também rejeição nas vagas de corregedor-geral, ouvidor-geral e na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, área de bastante importância dentro da instituição.

O grupo de procuradores que vai se rebelar ainda promete até mesmo abandonar as câmaras de coordenação e revisão caso os indicados por Aras para o comando dos colegiados desagradem os demais integrantes.

Em conversas reservadas, o grupo defensor da lista tríplice sabe que não faltarão procuradores dispostos a trabalhar com Aras, mas nenhum com maior relevância ou liderança atual na carreira deverá estar ao lado do escolhido de Bolsonaro.

Sem compor a gestão central da PGR, o grupo tentará manter a tradição de escolher os chefes das procuradorias regionais e no Distrito Federal através dos colegiados locais, seja no voto ou no acordo entre os membros.

Apesar da tradição, Aras tem poder para alterar tal quadro e designar chefes para as unidades do MPF nos Estados.

Segundo procuradores ouvidos pelo BuzzFeed News, a categoria já aguardava a indicação de um nome fora da lista tríplice para comandar a instituição.

Tinham esperança, no entanto, de que um nome com liderança dentro da carreira fosse escolhido, como o do subprocurador-geral da República José Bonifácio de Andrada ou Paulo Gonet, por exemplo.

Neste caso, procuradores não deixariam de demonstrar insatisfação com o processo de escolha, mas seria possível apaziguar rapidamente os ânimos dentro da instituição.

Para o grupo que hoje é majoritário no MPF e conta com as principais lideranças políticas da instituição, Aras é visto mais como um advogado que um procurador.



Sergio Moro

A escolha de Aras representa mais uma derrota para o ministro da Justiça, Sergio Moro, que sempre foi defensor da nomeação do procurador-geral da República através da lista tríplice e havia prometido à ANPR fazer a defesa dos nomes escolhidos na categoria junto ao governo.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília
Contact Severino Motta at severino.motta@BuzzFeed.com.


BuzzFeed Brasil

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem