© Foto / REUTERS/Romeo Ranoco

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, convidou os cidadãos a atirar, mas não a matar, qualquer funcionário público que testemunhassem recebendo propinas, prometendo imunidade ao atirador, desde que o burocrata corrupto sobrevivesse.

A "ordem" presidencial pouco ortodoxa também pediu aos filipinos que espancassem funcionários corruptos que encontrarem, informou o jornal Manila Bulletin, apesar das prováveis consequências desastrosas para a lei e a ordem.

"Se você pagar um imposto, uma taxa ou obter um certificado, e os funcionários pedirem suborno, bata neles. Se você tem armas, pode atirar neles, mas não os mate, porque durante o processo você pode não receber perdão", declarou Duterte.
Ele acrescentou que aqueles que aceitem a oferta "não serão enviados para a prisão, mas somente serão seriamente punidos fisicamente".

O presidente filipino é conhecido por seus comentários polêmicos e piadas de humor negro, mas também pelos seus planos concretos, como a violenta guerra às drogas que tem sido repetidamente criticada por grupos de direitos humanos, pela ONU e pela comunidade internacional em geral.

Em janeiro de 2019, estima-se que cerca de 5.000 pessoas tenham sido mortas na guerra às drogas, embora grupos de direitos humanos afirmem que o número pode ser mais que o dobro.

Embora Duterte, ex-prefeito e promotor, tenha cuidado de distinguir sinais de gratidão de subornos, o vice-presidente Leni Robredo e o senador Panfilo Lacson alertaram que essa "prática de presentear pode gerar corrupção na polícia".

Em resposta, Duterte aconselhou seus críticos a melhorar a lei.

"Você pode aceitar presentes [...] eu estava usando as palavras da lei. É encontrado nas práticas antifraude e anticorrupção", rebateu Duterte.

Sputnik Brasil

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem