“Saque os dólares do banco”. Essa mensagem começou a circular como pólvora de telefone em telefone na semana passada em Buenos Aires. O risco de que a Argentina volte a interromper os pagamentos reavivou o fantasma do corralito (confisco de depósitos bancários) de 2001 e, com esse medo no corpo, muitos argentinos recorrem ao bem mais valorizado nas crises: a moeda norte-americana.

Nos últimos 20 dias de agosto, os depósitos em dólares se reduziram em 3,95 bilhões (R$ 16 bilhões) de acordo com dados do Banco Central, e a sangria acelerou na segunda-feira, quando começou o controle de câmbios imposto pelo governo Mauricio Macri. Os bancos foram autorizados a estender seu horário até às 17h para atender ao aumento de demanda. No começo do dia, havia filas em frente a todos eles.

A maioria dos argentinos que esperava a abertura das portas não queria falar, alguns aceitaram sob a condição de anonimato. “Queria sacar na sexta-feira perto do trabalho e me disseram que precisava ser na minha agência. Se não me derem hoje boto fogo no banco”, disse irritado um comerciante de 48 anos.

“Infelizmente já passamos por isso muitas vezes na Argentina”, acrescentou uma aposentada que estava atrás deles em meio a insultos a Macri porque “nos endividou e voltou a entregar o país ao FMI”, em referência ao empréstimo de US$ 57 bilhões (R$ 238 bilhões) concedido pelo órgão internacional.

Muitos dos que hoje retiram os dólares dos bancos vão esconder o dinheiro em casa, em cofres. “Fui com meu pai ao banco e depois ele irá guardá-los em seu cofre”, disse no domingo uma professora de 37 anos. A demanda de cofres disparou nas últimas semanas e em muitos bancos do centro de Buenos Aires há lista de espera.

“Em casa é muito arriscado, podemos ser roubados, mas nesse momento não se pode depositar os dólares”, afirmou. No corralito de dezembro de 2001, milhões de argentinos tiveram bloqueadas suas contas da noite para o dia e essas feridas não cicatrizaram em 18 anos. Os que têm seus dólares no exterior respiram aliviados.

O temor que a desvalorização do peso continue —perdeu 23% de seu valor desde as eleições primárias de 11 de agosto— leva à procura desenfreada por dólares. Alguns trabalhadores sacaram seus salários recém-depositados na conta para transformá-los em dólares. Na segunda-feira, o público encontrou uma grande dispersão de valores na abertura do mercado.

“Nesse momento, 62”, respondiam em um banco do centro de Buenos Aires sobre o valor de venda do dólar por volta das 11 horas. Em uma casa de câmbio a duas ruas de distância, a moeda norte-americana era oferecida a 65 pesos argentinos. Em outra, a 61; na do lado, 59, e existiam lousas em branco e outras em que se lia “Consultar”. Na rua de pedestres Florida e seus arredores, os arbolitos (operadores informais de câmbio que oferecem seus serviços a viva voz) comentavam que o preço era “negociável”.

Com o passar das horas o câmbio reverteu a tendência e fechou em 57 pesos (R$ 4,15) por dólar no Banco Nación, quatro unidades a mais do que na sexta-feira, o que atraiu a chegada de mais compradores. No prédio central do banco, localizado em frente à sede do Governo, ocorreram longas filas o dia todo e às 15 horas, hora habitual do fechamento, centenas de pessoas ainda estavam do lado de dentro.

Outros bancos próximos mantiveram suas portas abertas até às 17 horas. Na terça-feira se espera outro dia incerto. Em meio ao furacão, todos se aferram ao dólar.






Com informações do El País




Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem