Por Altamiro Borges

O jornalista Guilherme Amado agitou as redes sociais nesta quinta-feira ao postar na revista Época um título bombástico: “Moro a uma canetada de pedir demissão”. A matéria traz a foto de apoiadores do ministro em Brasília com um boneco gigante dele como Super-Homem – o Super-Moro. Mas pelo teor da especulação, o “marreco de Maringá” – como carinhosamente é apelidado – está mais prestes a virar bagaço no laranjal de Jair Bolsonaro.

Segundo a notinha, pessoas próximas ao ministro garantem que ele deixará o cargo caso o superintendente-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, seja exonerado e no seu lugar não for indicado alguém de sua total confiança. A postagem indica que o clima no covil é de intensa disputa de vaidades e projetos. Sergio Moro, que já foi apontado como presidenciável ou ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), é quase um zumbi.

“Embora tenha topado amaciar o presidente aqui e ali no Twitter, em lives do Facebook e até publicamente, Moro ainda não se sente entre os seus. Quase não tem interlocutores no governo. Conversa com poucos na Esplanada, entre eles Paulo Guedes e Eduardo Villas Bôas. Com o restante, a relação é protocolar. Sente-se especialmente desconfortável com o linguajar de Bolsonaro sobre uma série de assuntos... Em seu nono mês como ministro, Moro está exaurido”.

No manicômio de Brasília, ele teria virado alvo da inveja do “capetão” demente. “A insatisfação de Bolsonaro com Moro começou quando o presidente, em 26 de maio, no domingo em que convocou a população para ir às ruas defender seu governo, deparou com um boneco inflável do Super-Moro. Ninguém se lembrou do Super-Bolsonaro. Aliás, não havia nem um chaveirinho de lembrança com o rosto do Mito. As pesquisas, que Bolsonaro diz menosprezar, deixaram-no ainda mais enciumado. Moro era e ainda é bem mais popular que ele”.

O processo de fritura, porém, seria mais antigo. “O desconvite para a especialista em segurança pública Ilona Szabó, a Funai goela abaixo, a retirada do Coaf do Ministério da Justiça e a posterior reformulação do conselho, a desautorização pelas indicações no Cade, a demissão via imprensa do delegado que comandava a PF no Rio de Janeiro, a ordem para que a tramitação do pacote anticrime ficasse mais lenta e até o veto a uma propaganda do projeto... A lista de vezes em que as asas de Moro foram cortadas é extensa. Nenhum outro ministro foi tão podado por Bolsonaro quanto Moro”.

Nos últimos dias, o clima se agravou ainda mais. “Havia ao menos a perspectiva de poder vetar algum nome polêmico para ser o novo procurador-geral da República e, claro, ser dele a escolha do atual comando da PF. A primeira já era: Moro não foi ouvido sobre Augusto Aras, que estaria longe de ser seu nome para o cargo. Muito pelo contrário. Com isso, manter-se como o responsável por escolher quem dirige a PF se tornou hoje a grande trincheira de Moro. E pode ser a última”.

Antes de ser indicado pelo ministro para a superintendência-geral, Maurício Valeixo chefiou a Polícia Federal em Curitiba durante a midiática Lava-Jato e sempre foi muito ligado ao “juizeco” Sergio Moro, dando total respaldo aos seus abusos de autoridade. Agora, porém, Jair Bolsonaro resolveu dar “uma arejada” no órgão, talvez por temer rasteiras do seu futuro rival. Sem vacilar, o “capetão” mostrou quem manda no laranjal ao humilhar publicamente o magoado Sergio Moro, mandando-o calar sua boca: “Quem manda sou eu”.

Guilherme Amado garante na revista Época que o ministro pode cair e opina: “No Congresso, já existe quem cogite romper com o governo caso Moro saia, e Bolsonaro já foi alertado mais de uma vez sobre esse risco. Sem o apoio dos lavajatistas, o governo perderá uma de suas pedras fundamentais. E ficará ainda mais vulnerável a ventos fortes”. De fato, a saída de Sergio Moro, que foi transformado em herói pela mídia falsamente moralista, representaria um forte abalo no laranjal. Junto com os generais rancorosos e os abutres financeiros, ele ainda é um dos pilares do governo fascistoide que se desgasta rapidamente na sociedade.


Altamiro Borges

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem