“O patrimônio da Amazônia – que pertence à toda população brasileira e deveria ser explorado de forma racional em benefício da atual e das futuras gerações – vem sendo saqueado por madeireiros, pecuaristas e garimpeiros e seus compradores brasileiros e estrangeiros. O governo não conta, mas a região já está integrada ao capitalismo global. Ou seja, já foi ‘internacionalizada’.”


Por Leonardo Sakamoto

osgemeos 

O governo Bolsonaro não é o primeiro a facilitar a dilapidação do bioma amazônico, um dos maiores patrimônios do País, mas certamente tem se mostrado um dos mais competentes. Em oito meses, desautorizou e enfraqueceu a ação da fiscalização ambiental, deu às costas a projetos de desenvolvimento sustentável, atacou instituições e organizações que atuam no monitoramento da devastação, desprezou o conhecimento científico sobre a região, relativizou os direitos dos povos indígenas e demais populações tradicionais, excitou madeireiros, pecuaristas e garimpeiros, dando a eles a certeza da impunidade.

Tudo isso acelerou a curva de desmatamento e degradação da Amazônia, o que chamou a atenção do mundo. Hoje, devido aos protestos em vários países, o governo reclama de um complô internacional contra a soberania brasileira sobre a floresta. Apela ao patriotismo para encobrir a sua própria falta de patriotismo, pois é cúmplice em uma pilhagem que vem sendo realizada das riquezas da região.

O patrimônio da Amazônia – que pertence a toda população brasileira e deveria ser explorado de forma racional em benefício da atual e das futuras gerações – vem sendo saqueado por madeireiros, pecuaristas e garimpeiros e seus compradores brasileiros e estrangeiros. O governo não conta, mas a região já está integrada ao capitalismo global. Ou seja, já foi “internacionalizada”.

Não a hipótese tosca levantada por Emmanuel Macron, nesta segunda (26), de um santuário do planeta. Mas por estar conectada à economia global desde a ditadura militar. De acordo com demandas de outras regiões do País ou do exterior, recursos naturais e energia fluem para fora da Amazônia nos porões de navios, através de caminhões e aviões, em linhas de transmissão – o que não significou, necessariamente, melhora na qualidade de vida de populações tradicionais, camponeses e trabalhadores rurais. Pelo contrário, tem deixado um rastro de desmatamento, assassinato de indígenas, poluição de rios e igarapés, expulsões de ribeirinhos e muito trabalho escravo.

Apenas cabeças tacanhas olham para a Amazônia e veem um monte de madeira, minério e terra. Essas cabeças limitadas podem fazer muito dinheiro agindo como nuvem de gafanhotos, mas ainda assim o montante é menor do que poderíamos ganhar coletivamente se explorássemos a região de forma sustentável. O que inclui pesquisar uma biodiversidade que pode esconder medicamentos e produtos ainda desconhecidos da humanidade. Intensificar a produtividade nas áreas já abertas e apoiar projetos desenvolvidos pelas próprias comunidades. E ganhar com serviços ambientais, uma vez que a floresta de pé imobiliza bilhões de toneladas de carbono que, se forem para a atmosfera, tornarão nossa vida um inferno. E é responsável por ajudar a regular a temperatura do planeta e as chuvas no Brasil.

Qual a melhor demonstração de respeito pelo País? Vestir-se de verde e amarelo e se enrolar em uma bandeira enquanto canta o Hino Nacional em prantos? Exigir que não se fale em desmatamento em nome de um suposto “interesse nacional” que, na verdade, é “interesse dos amigos”, e cobrar que jornalistas escondam o que está acontecendo aqui dentro para “parecer bonito” lá fora? Ou apontar o dedo na ferida quando necessário e exigir que o governo pare de beneficiar um pequeno grupo de brasileiros e estrangeiros, passando a agir, enfim, como se administrasse uma República?




Blog do Sakamoto (UOL)




Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem