Por mais que o negue, formalmente, dizendo que era apenas uma “visita de cortesia”, a presença de Sérgio Moro na superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, cujo chefe está na mira de Jair Bolsonaro, é mais um movimento no xadrez de hipocrisia que jogam o ministro da Justiça e o presidente, está óbvio. Como foi – e muito mais ousado – a divulgação do relatório da PF apontando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, como beneficiário de crimes com doações eleitorais da Odebrecht.

Os dois, claro, se preocupam em dar sinais abstratos de unidade, embora nem a velhinha da Taubaté, acredite nisso.

A unidade que existe é, apenas, resultado da maré vazante de ambos e Jair Bolsonaro é muito mais capaz de entender o “farinha pouca, meu pirão primeiro” que Sérgio Moro.

Não quer e não vai ficar com o estigma de ter “traído” Moro, mas espera, ansiosamente (e até com alguma dificuldade em conter-se), o primeiro erro do seu até agora ministro para colar-lhe o rótulo.

Conta, para isso, com o impasse em que está Moro.

Deixar o governo para cair nos braços abertos de João Doria – a Folha, hoje, trata abertamente disso – seria a adesão evidente à etiqueta de ambição política. Simplesmente sair, porém, também significaria submergir da mídia e só colocar a cabeça para fora nas águas lamacentas em que está metida a Lava Jato, após a revelação de seus intestinos pelo The Intercept.

O assédio de Doria é e será intenso, porque percebe que nada pior para seus planos que ter de enfrentar o bolsonarismo em seu território e nas órbitas de São Paulo, como o Paraná.

O fator decisivo para o desfecho deste episódio é a mídia, mais especificamente a Globo, contra a qual os minions e seu chefe levantam uma nova onda de ataques, cada vez mais violentos, como no episódio Merval Pereira.

Este é o perigo que apavora Moro: o de se ver colocado diante de um ultimato global: “ou ele ou eu”.

Faz (e muita) diferença.






TIJOLAÇO

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem