A chegada de uma figura grotesca como Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto em 2018 tem provocado uma série de indagações sobre a natureza da crise política brasileira e quais os motivos que levaram a um elemento da extrema direita à Presidência da República.

As interpretações correntes, tanto à esquerda quanto à direita tem gerado mais confusão do que efetivamente elucidado o panorama político. A confusão reinante não é fruto do acaso, mas decorre do fato que as interpretações são elas próprias parte da luta política vigente. O livro DEMOCRACIA EM RISCO? 22 ENSAIOS SOBRE O BRASIL HOJE, é constituído de diversas visões sobre a ascensão do bolsonarismo, mas na quase totalidade dos artigos não conseguem apresentar uma avaliação coerente sobre os problemas candentes da conjuntura política do “ Brasil hoje”.

O primeiro ensaio é intitulado Polarização radicalizada e ruptura eleitoral do cientista político Sergio Abranches, apresenta uma análise a partir da noção “ presidencialismo de coalizão”.

“ eleição geral de 2018 foi disruptiva. Encerrou o ciclo politico que organizou o presidencialismo de coalização brasileiro nos últimos 25 anos e acelerou o processo de realinhamento partidário que já estava em curso, pelo menos desde 2006. Rompeu o eixo político-partidário que organizou governo e oposição nas últimas seis eleições gerais e que era movida pela disputa polarizada entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido da Social Democracia brasileira (PSDB) pela Presidência da República, enquanto os demais partidos se limitavam a disputar posições no Congresso para garantir assento na coalização de governo” ( Democracia em Risco, 2019.p.11).

O tema presente tanto no texto do Sergio Abranches, quanto em praticamente em todo livro, é a lamuria pelo aumento da “ violência nascida da polarização ”, que levaria ao “prenuncio do colapso democrático.”.

Para Abranches “No caso brasileiro, esse tipo de polarização já era observado no comportamento mais agressivo de militantes e de certas lideranças do PT, buscando demarcar um território de confronto, definido pelo “nos” cá, “ eles” lá e pelo uso indiscriminado de rótulos pintados com carga negativa, como “ fascista”, “ direitista” ou “ neoliberal”(..) “ o discurso agressivo do PT, especialmente nas redes, gerou revolta e um desejo de revanche que foram, em parte, ingredientes do crescimento das redes de ataque da direito, que terminaram por aderir à candidatura de Bolsonaro. ( Democracia em Risco, 2019.p.25)

O “ esquerdista” Ruy Fausto no seu artigo Depois do temporal, indica que a “ revolução conservadora” bolsonarista representa um descontinuidade no processo política democrático, relacionado com um movimento de caráter internacional, que no Brasil relaciona-se com três pontos centrais : a emergência das denuncias sobre Corrupção, o aumento da violência e questões de costumes, que alimentam um fundamentalismo religioso. Entretanto, na mesma linha de Abranches, e por sinal da própria imprensa capitalista, a culpa é do PT “ E houve os erros da esquerda, em particular do PT. A necessidade seria de uma auto critica”. (..) A indicação que Haddad deveria ser o candidato ,com discurso autocritico e de verdade ( “ só que verdade e autocritica nunca foram o forte das direções do PT).(…) “ a campanha de Haddad foi marcada pelas cascas de banana que as grandes figuras do seu partido jogavam em seu caminho. ( idem,p.154

Na verdade, a polarização não é apreciada a partir do acirramento da luta de classes, mas tão somente como uma expressão de uma mera disputa eleitoral ou por posições divergentes. Notem que nestas “ análises” Abranches e Ruy Fausto, a polarização política e mais que isso o próprio bolsonarismo é apresentado como o outro lado dos erros do PT, por isso a exigência da “ auto-critica”.

Outros artigos, apresentam uma posição mais mediada ou melhor mais centrista, defendendo que o remédio para evitar o colapso da democracia, que poderia ter evitado a vitória de Bolsonaro, e que precisa ser implementada como solução é a aliança entre os “ democratas”, ou seja entre o PSDB e o PT. Essa é posição predominante nos artigos que compõem o livro, e relaciona-se com uma tentativa do PSDB ( e outros setores burgueses) em escamotear que foram eles os artificies do golpe de Estado de 2016, e são os principais articuladores da vitória de Bolsonaro em 2018.

Na verdade, uma questão chave para uma compreensão do bolsonarismo no Brasil é o entendimento do significado do golpe de Estado, e do desenvolvimento posterior do regime golpista, que levou a prisão do ex-presidente Lula, através de uma farsa judicial, como elemento central para a manipulação das eleições de 2018, que teve como resultado a “ vitória” de Bolsonaro. Ao contrário das visões abstratas sobre o bolsonarismo, o fenômeno da ascensão da extrema direita tem um caráter internacional, relacionando-se com a maneira com setores fundamentais da burguesia busca reconfigurar o regime politico diante do agravamento da crise econômica. É preciso deixar os sistemas políticos cada vez mais impermeáveis a participação política popular, uma vez que o eixo geral é retirar os direitos sociais dos trabalhadores.

Dessa forma, ao evitar relacionar a ascensão de Bolsonaro com o golpe, os artigos acabam por discorrem sobre as características e aspectos do bolsonarismo, como a “ cultura do ódio”, a pauta “ de costumes”, a importância da violência, a utilização de fake News, entre outras questões, mas não abordam o ponto nevrálgico.

Assim, Angela Alonso no texto A Comunidade moral bolsonarista apresenta os ataques do tipo fascista dos bolsonaristas como uma questão abstrata fruto do “ desejo de eliminar o adversário”, quase como uma questão moral de comportamento “ inadequado” em uma democracia, citando o uso das chamadas fake News.

“O recurso à força física completa o combate simbólico. Desejo de eliminar o adversário . a politica como guerra é enraizada no Brasil. A candidatura Bolsonaro apenas tocou fundo uma corda da alma nacional. “

Em relação a questão política, a autora também advoga a “ frente ampla” como solução dos democratas diante do bolsonarismo, para isso cita um trecho de Steven Levitsky publicado na época das eleições de 2018 no jornal Folha de São Paulo “ os tucanos e os petistas têm bons motivos para não gostarem uns dos outros. Mas é preciso ser claro. O PSDB não é golpista. E o PT não é chavista. O PSDB e o PT são pilares da democracia brasileira. Devem se dispor a unir forças para defende-la, se necessária.” ( idem, p.78)

Já no artigo A politica brasileira em tempos de cólera de Ângela de Castro Gomes é ressaltado que “ A eleição de Bolsonaro produziu uma “ inflexão nos valores e práticas da chamada Nova República, ao atingir ao menos dois pilares fundamentais: a convivência com a pluralidade politica e o respeito à diversidade social.” ( idem, P. 176).

A autora ainda afirma que a oposição não se pode questionar o resultado eleitoral, devendo os “ democratas” aceitarem de maneira resignada a vitória de Bolsonaro e o “ desmanche” das instituições democráticas e dos direitos sociais, em argumento no estilo Guilherme Boulos, “Questionamentos aos resultados eleitorais é algo conhecido da politica brasileira , sendo sua maior fragilização de nossas experiências democráticas, no passado e no presente.”

Os artigos do livro Democracia em risco? , ilustram como uma parcela importante da intelectualidade não consegue compreender os paramentos da situação política e do real significado do bolsonarismo.

O elemento crucial para a confusão generalizada é o fato de que a grande maioria da intelectualidade , seja ela da esquerda moderada ( sendo que autores como Boris Fausto, José Arthur Giannotti nem isso) e mesmo da esquerda pequeno burguesa “ radical” está completamente adaptada ao regime político burguês vigente, e tributária de fantasias analíticas como a noção de “ consolidação democrática”.

Dessa forma, quando as classes dominantes partem para uma política contra as “ regras do jogo” da “ democracia” e utilizam do expediente do bolsonarismo, os intelectuais tributários das ilusões fomentadas por eles próprios ficam completamente à deriva, simplesmente repetindo lugares comuns, que servem como justificativas “ criticas” do próprio bolsonarismo, por isso nenhum dos textos apresenta um questionamento efetivo e recusam as conclusões fundamentais que levaram ao fracasso o regime politico democratizante no Brasil e no mundo.



Diário Causa Operária

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem