"Sergio Moro não é o primeiro humano desesperado por poder. Mas a quantidade de humilhação que ele está disposto a engolir de Bolsonaro é chocante de se ver. Lembre-se: procuradores do MPF e até LJ alertaram que isso ia acontecer", escreveu o jornalista


247 - Na esteira do episódio de interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, que gerou uma crise de instabilidade na corporação, com direito a ameaça de demissão coletiva de delegados, o ministro da Justiça, Sergio Moro, que tem a PF sob sua jurisdição, se destaca pelo silêncio.

A falta de reação do ministro contra uma interferência política do presidente com claras intenções de proteger seus familiares investigados foi motivo de comentário do jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept, responsável pelos vazamentos da Operação Lava Jato.

"Sergio Moro não é o primeiro humano desesperado por poder. É uma característica comum. Mas a quantidade de humilhação que ele está disposto a engolir de Bolsonaro é chocante de se ver. Lembre-se: procuradores do MPF e até LJ alertaram que isso ia acontecer", postou Glenn no Twitter neste sábado 17.

O jornalista já havia dito antes que o gesto de Bolsonaro tinha sido uma humilhação para Moro. Hoje, Glenn também relembrou diálogos em que "procuradores do MPF disseram que a aceitação de Moro da oferta de Bolsonaro" para ser ministro "não apenas forçaria Moro a engolir humilhações, mas também destruir a reputação dele e o legado da LJ".

"Eles estavam certos, mas duvido que imaginassem quão rápido e completamente isso aconteceria", completou o editor do Intercept.




Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem