Alexandre Marchetti/ Itaipu Binacional

Identificação ideológica de Bolsonaro com o presidente do Paraguai basta para impedir o aprofundamento da crise entre Brasil e Paraguai?


Para preservar o presidente paraguaio, o conservador Mario Abdo Benítez, Bolsonaro derrubou recomendação do corpo técnico da Eletrobras de não anular a ata sobre compra de energia da usina de Itaipu, assinada em maio por representantes dos dois países.

Os países terão de fazer uma nova negociação. A tentativa de preservar o mandato de Benítez pode influenciar nas novas negociações ainda mais quando mensagens vazadas na imprensa paraguaia nesta terça-feira mostram que o presidente do país estava a par dos detalhes da negociação com o Brasil?

Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Eduardo Heleno de Jesus Santos, especialista em políticas latino-americanas e professor de Relações Internacionais da Universidade Federal Fluminense (UFF).

"Mario Abdo Benítez tem uma história que aproxima ele do Bolsonaro. Em primeiro lugar, o pai dele fez parte da ditadura de [Alfredo] Stroessner, conhecida por ter uma forte ligação dos militares com o partido Colorado. Então de certa forma a campanha de Mario foi muito identificada com os valores que o Bolsonaro utilizou aqui no Brasil, ligada a uma visão específica sobre o regime militar, uma negação de certos aspectos da violência do Estado ocorrida naquela época e a defesa de valores vistos por eles como sendo da família, valores conservadores", explicou o professor.

Para o interlocutor da Sputnik, para Bolsonaro, do ponto de vista político, a manutenção de um aliado que compartilha sua ideologia é muito importante e poderia interferir na negociação com a Eletrobras.



​Segundo o especialista, no entanto, "muita coisa está em jogo" no país vizinho com a revelação dos detalhes da negociação do acordo com a Itaipu.

"No Paraguai há uma visão sobre a política externa brasileira, na qual ainda há uma referência ao que eles chamam de 'a grande guerra', que foi a guerra do Paraguai", afirmou o acadêmico.Os paraguaios enxergam "uma diferença muito grande, em termos econômicos e de crescimento, se sentem injustiçados pela maneira como o Brasil negociou no passado".

O tratado de Itaipu já foi alvo de renegociação diversas vezes, acrescentou o Jesus Santos, destacando existir quase um consenso na política do Paraguai "de que o país sempre deve obter uma vantagem diante da simetria com Brasil".

O que ocorre é que o governo Bolsonaro tentou fazer um acordo junto ao governo paraguaio para a compra do excedente de sua energia por um valor menor.

"A negociação desse valor demanda uma atenção muito especial na política paraguaia. A influência de Itaipu no Paraguai é muito grande. E como o acordo, na visão dos políticos paraguaios, lesou os interesses nacionais, deu margem à tentativa de um processo de impeachment", ponderou entrevistado.

Para ele, no entanto, Benítez ainda conta com a maioria do Congresso. No entanto, a decisão final se dará no interior do partido Colorado, que há décadas estabelece os rumos políticos do país sul-americano.

"O partido Colorado, que tem sido o principal partido nos últimos 70 anos na política paraguaia...só foi substituído entre 2008 e 2012 com o governo de Fernando Lugo. Ele mantém uma grande força no Congresso e como partido preponderante tem uma série de divisões, de famílias que tem tradição...como a própria família de Benítez", concluiu o professor de Relações Internacionais.




Sputnik Brasil

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem