A lista de filmes que exploram paradoxos da viagem no tempo é extensa e até parece que todas as possibilidades já foram exploradas. Mas as conexões entre as causas e efeito de fatos políticos históricos associados a paradoxos temporais é um campo ainda pouco abordado. Séries como “The Man in the High Castle”, sobre realidades alternativas, nazismo e Segunda Guerra Mundial, é um dos poucos exemplos. O filme indie britânico “Excursion” (2019) junta-se a essa abordagem política da viagem no tempo, com um roteiro ousado e complexo, explorando dois paradoxos tempo-espaço famosos: o paradoxo do avô e do loop de informação. Um homem no presente é despertado pela sua versão mais jovem vinda do passado: um militante do Partido Comunista da extinta União Soviética de 1987. Sua missão era viajar no tempo para testemunhar como o comunismo iria prosperar no futuro. Ao ver que nada disso ocorreu e o Capitalismo triunfou, acredita que houve algum erro: um loop entre 1987 e 2019 que deve ser revertido a todo custo. Para que aquela linha do tempo não interceda na linha de 1987 na qual supostamente o Comunismo venceria. Filme sugerido pelo nosso leitor Dudu Guerreiro.

Das especulações sobre os inúmeros paradoxos possíveis em uma viagem no tempo, as mais famosas são o “paradoxo do avô” e o “paradoxo dos loops de informação”.
O primeiro é o mais famoso e imortalizado no filme De Volta Para o Futuro(1985). O adolescente Marty McFly embarca em uma máquina do tempo e volta para o ano de 1955. O jovem acaba conhecendo a garota que, no futuro seria sua mãe. O problema é que ela se apaixona por ele, e não por aquele que seria o seu pai. Ameaçado de desaparecer, Marty tenta convencer sua mãe namorar pelo seu futuro pai.
É uma variação do paradoxo do avô: a inconsistência que pode vir a surgir no tecido temporal se o viajante matar aquele que seria o seu avô antes dele conhecer sua esposa. Dessa maneira, a existência do pai, da mãe e do próprio viajante tornam-se impossíveis.
Por sua vez, o “paradoxo dos loops de informação” ocorre quando uma certa informação do futuro é enviada ao passado, de maneira que esta torna-se a causa inicial da informação tal como existia no futuro.
O filme indie britânico Excursion (2019), de Martin Grof, habilmente combina esses dois paradoxos e vai além: insere a viagem no tempo em um plot político envolvendo a Guerra Fria entre capitalismo e a antiga União Soviética.
Dos filmes em torno do tema da viagem no tempo, o plot político é ainda pouco explorado. Como, por exemplo, na série Amazon Studios The Man in The High Castle( 2015-) na qual em uma realidade alternativa onde os nazis ganharam a guerra e invadiram os EUA, a descoberta de outros mundos paralelos nos quais os nazis perderam (como na nossa História), pode alterar tanto o passado quanto o futuro.
O plot político acaba apenas entrando com distopias em torno de governos totalitários. Muito poucos filmes abordam movimentos políticos concretos e históricos.





Ao contrário, Excursion faz uma interessante abordagem unindo a União Soviética de 1987 com a Londres de 2019 no qual o socialismo e o comunismo foram derrotados por um capitalismo triunfante e high tech. Mas um acidental loop espaço-tempo acaba acidentalmente unindo esses dois momentos na História, criando uma insólita Guerra Fria pelo controle da linha do tempo.
E se essa informação sobre o futuro (a derrota do socialismo) for levada para a antiga União Soviética? E se o mensageiro dessa informação for você mesmo, vindo do passado, e, em dos loops, mata-lo acidentalmente? O que será de você no presente (ou futuro)?
Excursion torna-se um verdadeiro quebra-cabeças, misturando os paradoxos do avô com o do loop de informação.

O Filme

Tom (Johnny Mindin), um bem-sucedido advogado londrino na casa dos 50 anos, é despertado no meio da noite em seu amplo apartamento, com vistas para o Rio Tâmisa. Há um homem estranho no seu quarto, que ele acerta com um tiro, matando-o. Mas a cena se repete, como em loop, até que este homem misterioso consiga subjugar Tom e amarrá-lo.
Para sua surpresa, esse homem tem o seu próprio rosto: é a sua própria versão trinta anos mais jovem, chamado Tomas (Richard Canal). Tomas veio da União Soviética de 1987. Nesse passado alternativo, ele é um jovem e devotado membro do Partido Comunista.
Como futuro soldado e leal militante, Tomas foi escolhido pelo governo soviético para ser uma cobaia na experiência de uma máquina do tempo. Mas não é apenas um experimento científico – acabou se tornando um esforço de propaganda: enviar Tomás para o futuro para testemunhar como o socialismo está prosperando.





Porém, tudo o que vê é a versão capitalista dele mesmo rindo na sua cara para depois mostrar os acontecimentos dos últimos anos que determinaram a ruína do comunismo soviético. Para Tomas, fica muito claro que houve um grande erro e que ele tem que fazer tudo o que poder para salvar o comunismo do seu destino.
Mas ocorre um estranho efeito colateral nessa viagem do tempo: um loop tempo-espaço unindo aquele futuro com o passado de 1987 no qual vivia a versão socialista de Tom. Um loop produzido por espécie de paradoxo do avô – Tom matou minutos atrás uma das versões de Tomas que apareceu no seu quarto.
Em meio a essa confusão formada, eis que toca a campainha do apartamento, para abrirem a porta e surgir Alexandra (Sophie Wilson). Uma agente do governo soviético, enviada com estranhos equipamentos para consertar os loops que se formam nas viagens no tempo. E reconstituir a linha do tempo de 1987 que, acreditam, levaram o socialismo ao triunfo.
Isso leva a um intrincado e interessante roteiro com constantes saltos no tempo nos quais os protagonistas tentam entender o que está acontecendo, antes que seja tarde.





A força do roteiro

Excursion é um filme sci-fi independente de baixíssimo orçamento, sem efeitos especiais, cujos acontecimentos se desenrolam em apenas dois ambientes: a ampla sala do apartamento de Tomas, com uma linda vista do Rio Tâmisa e a Ponte de Londres; e o porão de uma instalação científico-militar da União Soviética de 1987.
Todo o argumento do roteiro recai no paradoxo do loop de informação: levar para o passado a notícia de que o comunismo soviético não deu certo no futuro pode criar um loop de profecia autorrealizável – a informação do futuro se torna a causa do efeito precedente. Em outros termos, o efeito paradoxalmente pode anteceder a causa.





Para complicar ainda mais, no meio da confusão, lá em 1987 o general Andreev (J.P. Turner) suspeita que Alexandra seja uma espiã norte-americana infiltrada na experiência de viagem no tempo: os EUA pretendem manter esse loop para derrotar o comunismo.
Como na maioria dos filmes independentes que incursionam no gênero (Primer, Safety Not Guaranteed, O Homem Infinito etc.), Excursion apresenta um roteiro desafiador, ousado e inventivo. Que compensa a atuação mediana (e em alguns momentos até sofrível) dos atores.
A inventividade de Excursion é que a abordagem das realidades alternativas não explora os tradicionais efeitos exponenciais – como a alteração do passado ou do futuro pode criar novas e imprevisíveis linhas do tempo. Tornando tudo catastrófico, como em Efeito Borboleta (2004).
Mas como linhas do tempo paralelas podem acidentalmente se conectarem em loop, alterando a própria História.
Excursion é um filme puramente cerebral: não tem o menor interesse em um revival nostálgico da década de 1980, com um design de produção vintage para reconstituir a época. Concentra-se unicamente nos diálogos e exploração dos paradoxos das viagens no tempo. Com forte conotação política.
Para assistir ao filme on line(com legendas em português com algumas falhas de tradução) clique aqui.





Ficha Técnica

Título: Excursion
Diretor: Martin Grof
Roteiro: Martin Grof, Magdalena Drahovska
Elenco: Johnny Mindin, Richard Canal, Sophie Wilson, J.P. Turner
Produção: -
Distribuição: Amazon Prime Video
Ano: 2019
País: Reino Unido

Cinema Secreto: Cinegnose

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem