A farsa judicial que o levou ao cárcere político motivou intelectuais, chefes de estado e artistas internacionais a se posicionarem em defesa do ex-presidente


Ricardo Stuckert
Cristina Kirchner e Lula

As denúncias de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é vítima de uma prisão injusta e política continuam a ser feitas em diversas partes do mundo.

Na América Latina, dezenas de parlamentares, acadêmicos e personalidades do meio cultural ligadas ao Partido Peronista da Argentinapublicaram um manifesto denunciando a situação de Lula. Entre os que assinam estão o candidato à presidência Alberto Fernandez, a vice de sua chapa e ex-presidenta, Cristina Kirchner e o prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel. Jorge Taiana que é ex-ministro das Relações Exteriores da Argentina nos governos de Néstor e Cristina Kirchner, defendeu Lula pelo Twitter.

No Uruguai, os deputados pela Frente Ampla Daniel Caggiani (presidente do Parlamento do Mercosul) e Luis Gallo (integrante do Parlasul) publicaram um vídeo em que denunciam a situação do ex-presidente. Fora os políticos, as associações sindicais, a Confederação dos Trabalhadores Municipais das Américas e a Confederação dos Trabalhadores em Universidades das Américas publicaram manifestos defendendo a liberdade de Lula.

Nos EUA, um grupo de parlamentares do Partido Democrata enviou uma carta ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos cobrando explicações sobre a colaboração do órgão com procedimentos jurídicos no Brasil que têm gerado controvérsia significativa. O historiador e professor da Brown University, James Green, se posicionou publicamente exigindo a liberdade de Lula. Outro intelectual estadunidense que já aderiu ao abaixo-assinado para que Lula saia da cadeia é o linguista Noam Chomsky.

Na Europa, Judith Kirton-Darling, integrante do Parlamento Europeu pelo Partido Trabalhista britânico publicou mensagem no Twitter dizendo que Lula é inocente. Len McCluskey, secretário-geral da maior organização sindical do Reino Unido e da Irlanda, também usou o Twitter para declarar solidariedade a Lula. O Partido da Esquerda Europeia (Party of the European Left) divulgou um manifesto em suas redes sociaissolicitando que o ex-presidente seja libertado. O Partido alemão, Die-Link, publicou um vídeo em suas redes no qual declara apoio ao movimento pela liberdade de Lula.

Para além destas manifestações, já assinaram a petição pela liberdade do ex-presidente Lula o ex-primeiro-ministro italiano Massimo D’Alema, o ex-ministro das finanças do governo Tsipras na Grécia, Yanis Varoufakis, o ex-secretário-geral da Anistia Internacional, Pierre Sané, o líder da Social- Democracia alemã, Martin Schulz e o parlamentar italiano Roberto Gualtieri.

Outros nomes que assinaram a petição foram José Graziano, ex-diretor da FAO/ ONU, Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai e Ernesto Samper, ex-secretário-geral da UNASUL.

Por Comitê Lula Livre


Partido dos Trabalhadores

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem