O processo de preparação do Sínodo da Amazônia, convocado pelo papa Francisco para acontecer em outubro, vem incomodando forças conservadoras no Brasil e em Roma. O Exército já expressou sua desconfiança em relação à iniciativa que busca dar “rosto amazônico” à Igreja ouvindo pessoas carentes, ribeirinhos e indígenas. O documento que serve como base para a discussão dos bispos é considerado blasfêmia pela ala reacionária do Vaticano.

Encontro do papa com bispos da Amazônia vai avaliar desafios para os mais de 30 milhões de habitantes da região

Trata-se do documento de trabalho de 60 páginas intitulado “Amazônia: Novos Caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”, assinado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam). Para formulá-lo, foram ouvidas perto de 80 mil pessoas de comunidades amazônicas nos nove países da região. O processo de consulta foi iniciado há dois anos.

O papa Francisco convocou a reunião de bispos em 15 de outubro de 2017. “Atendendo ao desejo de algumas conferências episcopais da América Latina e ouvindo a voz de pastores e fiéis de várias partes do mundo, decidi convocar uma assembleia especial do sínodo dos bispos para a região pan-amazônica”, disse.

O sínodo acontecerá em Roma durante três semanas a partir de 6 de outubro. É a primeira reunião de bispos pensada para um lugar geográfico e uma resposta à encíclica Laudato sí, de 2015, de pensar na ecologia integral. “O objetivo é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno”, dizia o site da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

O processo se iniciou com a visita do papa a Porto Maldonado, no Peru, em janeiro de 2018. Ali se iniciou a consulta às comunidades. O resultado será uma exortação apostólica escrita pelo papa. É documento de orientações pastorais, sem o peso doutrinal. “É uma indicação que o papa fará a partir de uma reflexão. Isso será encaminhado à Igreja. É pensado para a Amazônia, mas tem implicações para toda a Igreja”, diz uma fonte.

O encontro do papa no Vaticano com os bispos de toda a região pretende avaliar os desafios e buscar respostas comuns para os mais de 30 milhões de habitantes da região. “A Igreja tem a oportunidade histórica de diferenciar-se claramente das novas potências colonizadoras escutando os povos amazônicos para exercer com transparência seu papel profético”, diz o documento.

A iniciativa desagrada a alas do Exército preocupadas com uma suposta ingerência à soberania nacional. “Não precisa ter temor nenhum, porque a Igreja não está querendo de forma nenhuma promover ali uma nova nação, um novo país”, explica em texto no site da CNBB o cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e presidente da Comissão Episcopal Especial para a Amazônia da CNBB.

O documento que será discutido pelos bispos foi dividido em três partes – a voz da Amazônia, a ecologia integral e a Igreja profética na Amazônia. É a terceira parte que tem pontos controversos. O “rosto amazônico” da Igreja é o da pluralidade, da opção pelos pobres e que sabe “assumir sem medo as diversas expressões culturais dos povos”. Ali, a Igreja busca fazer frente ao “vertiginoso crescimento das recentes igrejas evangélicas de origem pentecostal, especialmente nas periferias”.

Um item em discussão é ter quem garanta o acesso à eucaristia às comunidades. Como não há padres disponíveis e as distâncias são grandes, o documento “pensa novos ministérios, da atuação da Igreja no chão da Amazônia”, diz a fonte. O texto abre a discussão para aumentar a presença das mulheres que poderiam ministrar um culto e dar alguns sacramentos. Pessoas da comunidade, com famílias, poderiam ser ordenados.

O texto faz diagnósticos críticos das ameaças às populações locais. “Na Amazônia se sofre pela violação dos direitos dos povos originários, como o direito ao território, à autodeterminação, à demarcação dos territórios e à consulta e consentimento prévios”, lê-se na primeira parte. “Na atualidade, desmatamento, incêndios, mudanças no uso do solo e contaminação estão levando a Amazônia a um ponto sem retorno. Aquecimento em torno de 4 graus centígrados e 40% de desmatamento conduzirão à desertificação da Amazônia, e é preocupante que hoje em dia já estejamos entre 15 e 20% de desmatamento.”

A Amazônia é uma das regiões da América Latina com maior migração interna e internacional. O movimento “contribuiu para a desestabilização social das comunidades amazônicas” e as cidades não dão conta de proporcionar os serviços básicos”, diz o documento que tem, entre as sugestões, promover projetos de agricultura familiar nas comunidades rurais.

Há muitos problemas urbanos amazônicos listados no capítulo, desde o aumento da violência até a falta de emprego. Já no capítulo que trata de corrupção, o tom é forte: “Nas últimas décadas se acelerou a exploração das riquezas da Amazônia pelas grandes companhias que buscam o lucro a qualquer custo, sem se importar com o dano socioambiental que provocam. Os governos autorizam tais práticas e nem sempre cumprem seu dever de resguardar o ambiente e os direitos”.

Reconhece-se que “os povos amazônicos não são alheios à corrupção, mas se convertem em suas principais vítimas”. Uma das sugestões é promover a formação política, econômica e acadêmica e exigir das empresas que assumam suas responsabilidades sobre os impactos socioeconômicos. Nas escolas, as línguas nativas devem ser respeitadas. Para evitar erros históricos, o texto sugere o ensino da teologia indígena.


Com informações do Valor Econômico




Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem