Por Altamiro Borges

O “capetão” Jair Bolsonaro desembestou de vez. Ou se acha o Messias, o ungido por Deus, ou está desesperado. Com mania de perseguição, ele dispara o seu “piriri verborrágico” contra tudo e todos, dia sim e outro também. Ninguém é poupado – do presidente francês Emmanuel Macron ao humilhado “marreco de Maringá”, o miliciano Sergio Moro. O mais recente alvo do seu ódio é o Merval Pereira, o “imortal” da Globo. Uma baita ingratidão contra o jornalista global que tanto lhe ajudou, direta e indiretamente, a chegar à presidência do Brasil.

Neste sábado (24), ele tuitou raivoso: “Você contrataria um palestrante para sua empresa pagando R$ 375.000? Se contratar o dinheiro é seu e ninguém tem nada a ver com isso, tá ok? Mas, Merval Pereira, colunista do O Globo, em 24/03/16, pela empresa MPF Produções e Eventos, recebeu do SENAC/RJ, R$375.000 por uma palestra”. Na sequência, ele ainda provocou e ameaçou o restante da imprensa em uma “entrevista” coletiva:

“Acabei de postar aí uma matéria sobre o Merval Pereira. Palestra por 375 mil reais, tá legal, tá ok? 375 pau uma palestra no Senac? Façam matéria agora. Se vocês não fizerem nenhuma matéria sobre isso amanhã no jornal eu não dou mais entrevista pra vocês, tá legal? Tá combinado? Toda a imprensa. E tem mais nome também, eu só botei um nomezinho hoje. Não estou perseguindo ninguém. Agora, gastar dinheiro público pra palestras, aí é brincadeira. Fica escrevendo o tempo todo lá críticas, criticar mas mostrar que é uma pessoa isenta, né? Imprensa isenta. Se não fizerem matéria escrita amanhã nos jornais, não tem mais entrevista pra vocês aqui, tá legal?”

Nesse domingo, em sua coluna no jornal O Globo, Merval Pereira até tentou retrucar a acusação. Mas ao invés de criticar a postura fascista do “capetão”, que deseja silenciar qualquer voz dissonante – se pudesse, ele mandaria os críticos para a cadeia, para a tortura ou, mortos, para a “ponta da praia” –, o jornalista afirmou que a denúncia do presidente é “fake news” e justificou que o pagamento de R$ 375 mil feito pela Federação do Comércio do Rio de Janeiro não foi por uma palestra, mas por “13 palestras em diversas cidades do Estado”. A resposta acuada até pareceu a confissão do crime e deve ter causado outro sorrisinho cínico em Jair Bolsonaro.

Merval Pereira, com sua obsessão doentia contra às forças de esquerda e contra qualquer projeto minimamente reformista, foi peça-chave na escandalização da política que resultou no golpe contra Dilma Rousseff, na chegada ao poder da quadrilha de Michel Temer e na eleição do fascista Jair Bolsonaro. O queridinho da famiglia Marinho jogou na desestabilização da frágil democracia brasileira, virou herói dos midiotas hidrófobos e ajudou a chocar o ovo da serpente no Brasil. Agora, ele é vítima do próprio monstro que ajudou a criar.

No seu ódio às esquerdas, Merval Pereira várias vezes questionou as palestras do ex-presidente Lula no país e no exterior. Em um dos seus textos elitistas, o “imortal” até colocou em dúvida a realização dessas atividades. “Lula tinha toda condição de ser milionário, diante do preço que cobrava pelas palestras que diz ter feito a partir de 2010, mas precisa comprovar que elas existiram e que não eram alguma contrapartida de empreiteiras”. Uma típica fake news. Agora, ele é que terá de comprovar que não recebeu dinheiro sujo e sem licitação da Federação do Comércio do Rio de Janeiro, então presidida pelo corrupto Orlando Diniz. A vida é dura!





Altamiro Borges

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem