Bolsonaro é o Chacrinha da política, diz Merval


247 - Um dia depois da revelação de que a Lava Jato quis comprar um comercial na Globo com dinheiro da Justiça, o Grupo Globo escalou seu cão de guarda para relativizar a matéria do jornal Folha de S. Paulo que revela o procurador Deltan Dallagnol tentanto enriquecer ilicitamente. O jornalista Merval Pereira afirmou que as informações confirmadas em mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram são uma questão de "interpretação".

Em sua coluna no jornal O Globo, Merval Pereira afirma que "a divulgação de diálogos, escritos e falados, atribuídos aos procuradores da Lava Jato, entre si e com o então juiz Sérgio Moro, não revelou nenhuma ação que distorcesse a investigação, que forjasse provas inexistentes, que indicasse conluio contra qualquer investigado da Operação Lava Jato, muito menos o ex-presidente Lula, o objetivo evidente da operação de invasão de celulares."

O jornalista defende a tese de que tudo não passa de interpretação: "estamos até o momento no terreno da interpretação das leis. Assim como o site Intercept Brasil, que divulga o material, tem lado evidente, vendo ilegalidade em todas as conversas entre os personagens, há inúmeros juristas e advogados que entendem ao contrário."

Merval ainda chama de "sinergia" as relações promíscuas entre Moro e Dallagnol, como se tudo estivesse dentro da mais perfeita normalidade, tese já rechaçada pela maioria esmagadora dos juristas brasileiros, bem como os órgãos de controle, que pedem investigação de Dallagnol: "a busca da sinergia entre as diversas corporações que trabalham em conjunto – Ministério Público, Polícia Federal, Receita Federal – é o que dá sentido às forças-tarefa. As etapas das operações tinham que ser autorizadas por Moro, como questões logísticas e exigências legais, como formalização de atos."



Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem