FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

Na tribuna, contrários à reforma acusaram governo de compra de votos e favoráveis defenderam combate a privilégios

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado no primeiro turno da votação no Plenário da Câmara, por 379 votos a 131, no fim da tarde desta quarta-feira 10. Agora, a Casa vota emendas aglutinativas e destaques apresentados pelas bancadas. Para ser aprovada em definitivo, a reforma ainda precisa passar por um novo turno, em que precisa, novamente, de 308 votos. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer superar esta segunda fase até o próximo sábado 13, para que a matéria tramite ao Senado Federal.

A sessão teve início por volta das 11 da manhã e deve seguir pela noite. Parlamentares contrários à reforma da Previdência anunciaram obstrução, ou seja, apresentaram uma série de requerimentos que tinham o objetivo de dificultar o procedimento. Do outro lado, os governistas favoráveis às alterações no sistema de aposentadoria se uniram para rebater as tentativas e rejeitaram os requerimentos em votações.

Oposicionistas acusaram o governo de comprar votos a favor da reforma, às custas de emendas parlamentares distribuídas à revelia. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o governo agiliza 5,6 bilhões de reais a deputados em emendas orçamentárias. Na tribuna, o deputado Marcelo Nilo (PSB-BA), protestou contra a prática: “O governo Bolsonaro faz o ‘toma lá dá cá’ mais descarado do Brasil. É uma denúncia grave. Essa Casa tem de apurar. É inacreditável que um deputado eleito pelo povo receba recursos para votar uma Previdência perversa”.

Deputados da oposição também pontuaram críticas como o fim do caráter social da Previdência pública após a reforma e o perdão fiscal de 83 bilhões de reais a ruralistas cedido no texto. Também exigiram medidas alternativas para arrecadação de fundos: o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), por exemplo, discursou em favor de taxações de grandes fortunas e mudanças nas políticas de herança para melhorar as contas públicas.

Entre os parlamentares favoráveis, estava o presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM). Ele defendeu as economias previstas com o projeto, estimadas em 1 trilhão de reais. “A reforma efetivamente combate privilégios. É 15 vezes mais dura no regime próprio do que no regime geral. Reduzimos drasticamente a desigualdade. Isso não é combater privilégios?”, indagou.

Já o deputado Luis Miranda (DEM-DF), também apoiador da reforma, classificou as modificações na aposentadoria como um “remédio amargo”. “É necessário fazer a reforma. É um remédio amargo. É um momento duro e difícil para todos nós. Ninguém que vota ‘sim’ vai sair para comemorar. Não é de se comemorar. Vai afetar a nós e nossos filhos”.

Uma posição polêmica foi a da deputada Tábata Amaral (PDT-SP), que traiu o voto contrário à reforma anunciado por seu partido. Favorável ao projeto, a parlamentar se explicou nas redes sociais: “Ao tomar essa decisão, olho para o futuro do país e não para o próximo processo eleitoral. Ser de esquerda não pode significar que vamos ser contra um projeto que, de fato, pode tornar o Brasil mais inclusivo e mais desenvolvido”.


Os destaques principais que ainda serão submetidos à votação dizem respeito à inclusão de Estados e municípios, às exigências da bancada feminina e às regras especiais para policiais militares. Entre as alterações mais relevantes da reforma, estão a imposição da idade mínima para se aposentar e o aumento do tempo de contribuição para receber o benefício.


VICTOR OHANA
Repórter do site de CartaCapital




Carta Capital

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem