Revelações do site The Intercept Brasil têm abalado a credibilidade do ex-juiz Sergio Moro e da Lava Jato

Além de editor executivo do Grupo Editorial Record, Andreazza é colunista do jornal O Globo e comentarista da rádio Jovem Pan. Seu “furo” jornalístico cai como uma bomba para Moro (hoje ministro da Justiça), os procuradores da Lava Jato e o governo Bolsonaro, que apostavam numa campanha de desmoralização do Intercept. Com a chancela da Veja e da Folha – que passarão a ser co-autoras de reportagens sobre o caso –, a grande mídia vai levar mais profissionais, melhorar a apuração e ampliar ainda mais o alcance das revelações.

O jornalista Glenn Greenwald, editor do Intercept, saudou a mensagem de Andreazza no Twitter. "Interessante. As capas deles são as vezes bonitas", escreveu, postando um link da capa em que Veja mostra Moro “desmoronando”.

A Folha iniciou a parceria com o site do jornalista Glenn Greenwald no último domingo. Já a Rádio BandNews também divulgou furos com base nos vazamentos ao vivo feitos por Reinaldo Azevedo – mas não teve acesso ao conteúdo, como ocorreu com a Folha.

Nesta quarta-feira 26, em audiência na Câmara dos Deputados, Greenwald havia dito que o Intercept passaria a divulgar o conteúdo com mais veículos além da Folha, a fim de dividir o trabalho jornalístico de seleção e apuração dos vazamentos e dar mais amplitude ao alcance das publicações.

Conforme lembra a Fórum, “na sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Moro repetiu à exaustão as palavras sensacionalismo e sensacionalista (exatas 34 vezes) para desacreditar as reportagens do The Intercept. Além disso, afirmou que as informações dessas matérias foram “hackeadas de forma criminosa”, questionando sua autenticidade. As parcerias do site vão esvaziar a (já frágil) defesa.

- Da Redação, com informações da Fórum e do Brasil 247


Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem