Direito de imagemANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASILImage captionEx-chanceler teme que Mercosul tenha feito concessões excessivas em acordo com UE

Júlia Dias Carneiro
Da BBC News Brasil no Rio de Janeiro

O ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim considera que o acordo entre o Mercosul e a União Europeia foi firmado "no pior momento possível" em termos do equilíbrio de forças entre as partes, em momento de "grande fragilidade negociadora", e teme que isso gere condições mais favoráveis para o bloco europeu do que para os países sul-americanos.
"O momento é o pior possível em termos da capacidade negociadora do Mercosul, porque os dois principais negociadores, Brasil e Argentina, estão fragilizados política e economicamente", diz Amorim, que foi chanceler durante dos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Acho que por isso a União Europeia teve pressa. Porque sabe que estamos em uma situação muito frágil. E quando se está em uma situação frágil, se negocia qualquer coisa. Isso me deixa preocupado. Eu temo que tenham sido feitas concessões excessivas", diz Amorim à BBC News Brasil.

Direito de imagemEPA/OLIVIER HOSLETImage captionMercosul e a UE anunciaram um acordo comercial que envolve 25% da economia global

Para Amorim, o alinhamento do Brasil aos Estados Unidos do presidente Donald Trump também deve ter contribuído para que os europeus se apressassem a firmar um acordo. Nesta sexta-feira, após reunião bilateral marcada por trocas de elogios, Trump e Bolsonaro posaram para foto sorridentes.

"Com toda a adesão do Brasil (aos EUA), talvez tenham visto nisso uma oportunidade de agir logo, como quem diz, 'vamos pegar agora o que dá, e depois a gente discute o resto'", considera Amorim.
Depois da China, a União Europeia é o segundo parceiro comercial do Mercosul, que, por sua vez, é o oitavo do bloco europeu.

Amorim enfatiza não ser contra a ideia do acordo e desconhecer os termos que foram firmados. "Mas recebo a notícia com um pé atrás porque o diabo mora nos detalhes, e a minha suspeita é que os detalhes não devem ser bons", considera.

Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, afirmou que os detalhes do acordo só serão revelados nos próximos dias.

Direito de imagemBRENDAN SMIALOWSKI/AFP/GETTY IMAGESImage captionPara Amorim, o alinhamento do Brasil aos EUA deve ter contribuído para que europeus se apressassem

Assunto em pauta desde 1994


O anúncio do acordo é histórico, ocorrendo 20 anos após o início das negociações formais entre os blocos, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, em 1999.

Mas Amorim lembra tratou da ideia pela primeira vez no âmbito do governo em 1994. Ele era chanceler do governo de Itamar Franco, e assinou um memorando de entendimento com José Manuel Durão Barroso, à época ministro das Relações Exteriores de Portugal.

Naquele ano, após um encontro em que integrantes do Mercosul e da União Europeia discutiram a formação de um acordo de cooperação, Amorim afirmou à Folha de S.Paulo que aquele havia sido "um primeiro contato do que mais tarde pode vir a ser um acordo de livre comércio".

Depois, no governo Lula, conduziu negociações que acabaram malogradas em 2004. Na época, o setor industrial considerou que o acordo não era vantajoso, avaliando que as vantagens oferecidas para a área agrícola - sobretudo para a exportação de proteína animal - não eram suficientes para compensar as concessões que se faria no setor, lembra Amorim.

Ele critica a falta de debate público sobre as negociações que geraram o acordo atual. Quando as negociações de 2004 estavam em andamento, lembra ter ido à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e à Confederação Nacional da Indústria (CNI) discutir o que estava sobre a mesa.

"Houve total falta de transparência na negociação desse acordo. Não vi isso exposto. Não houve clareza sobre o que estava sendo discutido", considera Amorim.

A seu ver, áreas sensíveis para o acordo são garantias em relação a investimentos, propriedade intelectual, compras governamentais e serviços.

"Espero que o Congresso examine o acordo a fundo para que a sociedade brasileira não saia prejudicada", considera.

Direito de imagemREUTERS/PAULO WHITAKERImage captionO acordo incluiu em seus termos compromissos de proteção ambiental

Para chanceler, contrapartidas de direitos são inócuas


Dez dias antes do anúncio do acordo, 340 organizações não-governamentais pediram, em carta aberta, que a União Europeia interrompesse "imediatamente" as negociações com o Mercosul argumentando que o governo Bolsonaro estaria promovendo violações de direitos humanos, ataques às minorias e o desmonte de políticas de proteção ambiental.

O acordo anunciado incluiu em seus termos compromissos de proteção ambiental, desenvolvimento sustentável, conservação de florestas e direitos trabalhistas. Os países integrantes se comprometem a implementar as metas do Acordo de Paris - que no ano passado foi abandonado por Donald Trump - para redução das emissões de gases de efeito-estufa e contenção das mudanças climáticas.

Perguntando sobre a importância da inclusão desses termos no acordo, Amorim reage com incredulidade, afirmando que o país está longe de cumprir todos os compromissos dos quais é signatário em tratados internacionais.

"Qual é o valor disso? A gente não cumpre nem as normas da OIT (Organização Internacional do Trabalho)", questiona o ex-chanceler.

"Me espanta que os europeus acreditem nisso. Se acreditaram e aceitaram, é porque estavam com muita pressa e com muita vontade", diz.


BBC News Brasil

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem