247 - A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar nesta terça-feira, 25, um habeas corpus que pode libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No início do dia, notícia da jornalista Monica Bergamo anunciava que o julgamento do HC de Lula havia sido adiado para agosto (leia mais no Brasil 247).

No início da tarde, a defcaresa do ex-presidente Lula protocolou no STF pedido para que o habeas corpus fosse julgado. Entre os argumentos apresentados pelos advogados de Lula, Cristiano Zanin e Valeska Martins, está o fato de o julgamento do HC já foi iniciado, em dezembro do ano passado, o fato de Lula estar preso já há 443 dias e dele ser um cidadão de 73 anos. Entre outros, estes trÊs aregumentos asseguram o julgamento do HC de Lula sobre outros itens da pauta de julgamentos (leia no Brasil 247).

Em carta ao amigo e ex-chanceler Celso Amorim, Lula perguntou por que o STF receia em julgar o seu caso. "A pergunta que faço todos os dias aqui onde estou é uma só: por que tanto medo da verdade? A resposta não interessa apenas a mim, mas a todos que esperam por Justiça", questiona.

Diante da repercussão negativa do suposto adiamento, a ministra Cármen Lúcia divulgou no início da noite uma nota para negar que tenha excluído ou incluído algum item na pauta de julgamentos desta terça-feira, 25. A ministra argumentou que ela ainda não é presidente da Turma e não poderia alterar a pauta. E confirmou que haebas corpus de pessoas presas têm preioridade nos ajulgamentos (leia mais no Brasil 247).

Nesta terça-feira, o País e o mundo saberão se o Brasil voltará a ser uma democracia, que garante direitos aos seus cidadãos, como o de ter um julgamento por um juiz imparcial, ou se entrará de vez em uma ditadura, com presos políticos e um estado de exceção seletivo. A resposta será da da pelo Supremo.







Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem