Raquel Dodge decretou: na Lava Jato Habemus Papam
por Fábio de Oliveira Ribeiro

A principal característica extra-jurídica do caso do Triplex foi a competência “ad urbe et orbi” que o Judiciário reconheceu em Sérgio Moro para julgar Lula. Todas as regras de competência foram simplesmente ignoradas pelo TRF-4 e pelo STJ para que o juiz lavajateiro de Curitiba pudesse julgar um caso não relacionado à corrupção da Petrobras envolvendo um imóvel no Estado de São Paulo.

Agora, ao se manifestar num HC de Lula a PGR Raquel Dodge acrescentou à decisão de Sérgio Moro outra característica marcante: a infalibilidade. Apesar das provas de que Moro conspirou com Deltan Dellagnol para reduzir as chances de absolvição do réu a sentença dele não pode ser anulada. Ex cathedra, a condenação de Lula no caso do Triplex deve ser considerada imutável, inquestionável e infalível.

A Lava Jato era uma pantomima política. Agora ela virou uma Bula Papal. Em razão disso resolvi enviar um Twitter ao Papa:

Sadly I report that the @Pontifex was deposed. The Judiciary of Brazil has recognized that @SF_Moro has “ad urbe et orbi” jurisdiction to try Lula. Now the @MPF_PGR said the judge is infallible despite evidence that he corrupted the criminal lawsuit to harm the defendant.
https://twitter.com/FabioORibeiro/status/1142432710415265792?s=19

Coitado do Papa Francisco. Ele cometeu o erro de escrever uma generosa carta a Lula. Em razão disso, no Brasil ele foi deposto e substituído por um marreco.

Ninguém ficará surpreso de o Papa marreco da Lava Jato invocar a supremacia do Direito Canônico à CF/88 para colocar o The Intercept no Index Librorum Prohibitorum. Sem o Nihil Obstat tudo que o Greenwald publicar está fora da Lei e não pode ser usado como prova no STF.




GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem