Foto: Agência FAB

Jornal GGN – A notícia de que um militar brasileiro foi preso na Espanha, com 39 quilos de cocaína numa mala de mão, parece ter feito mais barulho na imprensa internacional do que por aqui.

O sargento Silva Rodrigues, segundo declarações dadas pelo vice-presidente Hamilton Mourão, viajou à Espanha na frente do avião presidencial, numa aeronave “auxiliar”, e embarcaria junto com a comitiva de Jair Bolsonaro quando este retornasse do Japão ruma a Brasília.

Ao longo desta quarta (26), o assunto foi dissolvido de outras notícias dos meios tradicionais de massa, que passaram longe de enquadrar a Presidência pelo feito.

São dois pesos e duas medidas, se compararmos à atenção dada ao episódio em que Lula foi pego assistindo a um DVD pirata dentro da aeronave presidencial batizada de AeroLula, em 2005.

A história de Lula saiu no Jornal Nacional no dia 9 de novembro de 2005. Nas semanas seguintes, a imprensa continuou repercutindo e polemizando o “crime” de “apologia à pirataria”.

O filme era “Dois filhos de Francisco”. Menos de 1 mês depois da “descoberta”, a Polícia Federal até prendeu um suspeito de ter “repassado” a versão pirata da biografia de Zezé di Camargo e Luciano para o ex-presidente Lula.

Enquanto isso, o evento envolvendo o governo Bolsonaro caminha sem grandes questionamentos no Brasil. Não se sabe até que ponto – somente no final da tarde de quarta (27) é que a identidade do militar foi revelada.

Ele será investigado pelas autoridades espanholas por tráfico de drogas.

Enquanto isso, nas redes sociais, o próprio Bolsonaro tenta amenizar a situação. Ele divulgou a seus seguidores que o militar fora “apreendido”, e não preso, “portando entorpecentes”, e não traficando drogas em nível internacional.

No passado, os Bolsonaro não foram tão cheios de dedos assim. O filho do presidente e atualmente chanceler informal, Eduardo Bolsonaro, já defendeu pena de morte para traficantes, a exemplo do que acontece na Indonésia. Em 2015, um brasileiro foi executado naquele País por causa desse crime, e membros da bancada da bala comemoraram.

Aqui no Brasil, Bolsonaro pai defendeu, no máximo, a instauração de um Inquérito Policial Militar (IPM) para elucidar o caso.


GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem