Após manobra no Supremo Tribunal Federal (STF) para manter Lula preso, o Ministério Público Federal (MPF) pediu ao Tribunal da Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para aumentar a pena de Lula no caso do sítio de Atibaia.

Neste processo, Lula já foi condenado em segunda instância. O TRF-4 é a segunda instância do processo. Vale lembrar que no caso do Tríplex no Guarujá o TRF-4 aumentou de 9 para 12 anos a pena do ex-presidente Lula.

No caso do sítio, a juiza Gabriela Hardt, substituta de Moro, condenou Lula a 12 anos e 11 meses de prisão, copiando a setença dada pelo Sérgio Moro – o que escancarou ainda mais o caráter farsesco da condenação de Lula neste caso.

Trata-se de mais uma fraude contra Lula, que segue o mesmo padrão da condenação anterior, que agora foi comprovada atuação do então juiz Sérgio Moro com a acusação (os procuradores da Lava Jato).

A burguesia está unificada, como ficou claro no julgamento do Habeas Corpus de Lula na terça-feira (25), para manter Lula preso. Apesar da crise de um setor da burguesia com a Lava Jato, a prisão do ex-presidente por motivos políticos é consenso.

O pedido do MPF apenas reforça que os trabalhadores e o povo brasileiro não conseguirão o que querem (a liberdade de Lula) através das instituições, todas elas controladas pelos golpistas. A única via correta é a mobilização popular permanente pela libertação do ex-presidente e a derrubada do governo ilegítimo de Bolsonaro, produto da prisão ilegal de Lula.


Diário Causa Operária

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem