Ministro do STF Celso de Mello. Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Integrantes do Supremo Tribunal Federal avaliam que, ao pontuar que a rejeição da soltura imediata de Lula não compromete sua avaliação sobre a suspeita de parcialidade do Sérgio Moro ao julgar as ações da Lava Jato, o ministro Celso de Mello manteve uma espada sobre a cabeça de Moro. A informação é da coluna Painel da Folha de S.Paulo.

Nesta terça-feira (25), a Segunda Turma do STF decidiu por 3 votos a 2, negar o pedido de soltura imediata do ex-presidente, preso desde abril de 2018 após ser condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex, em uma ação que já vinha mostrando fortes indícios de parcialidade do então juiz Sérgio Moro e agora ministro da Justiça no governo Jair Bolsonaro.

Votaram contra a soltura imediata do ex-presidente Edson Fachin, Celso de Mello e Cármen Lúcia, enquanto Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski votaram a favor.

O julgamento do pedido de habeas corpus de Lula começou em dezembro, quando Fachin e Cármen Lúcia votaram contra o ex-presidente. Na ocasião, Gilmar pediu vistas do processo.

Mas, semana passada o ministro liberou o processo para julgamento, em meio a crise da Vaza Jato, o escândalo revelado por uma série de reportagens do Intercept Brasil, que começaram a ser divulgadas em 9 de junho, mostrando que Moro contribuiu para a formulação de provas contra Lula no caso triplex – ação legalmente incompatível com a função de juiz e que só deveria caber ao órgão acusador, o Ministério Público Federal.

Além do pedido de soltura de Lula, estava previsto que o colegiado analisará o pedido de suspeição de Moro, mas os ministros da Segunda Turma decidiram adiar a discussão para o segundo semestre.

Ainda segundo a coluna Painel, ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) também avaliaram que Celso de Mello “deixou pistas de suas dúvidas sobre a atuação de Moro”.

“Eles viram na fala do decano sinais de que, no mérito, ele pode acompanhar a ala garantista da corte”, completou Daniela Lima que assina a coluna.

O voto de Celso de Mello foi decisivo para o desfecho dO julgamento de ontem – foi o último a dar sua palavra após empate. O ministro considerou que Lula não tinha ainda requisitos para obter sua liminar de soltura, entretanto destacou que o voto proferido nesta terça não será, necessariamente, o mesmo que irá proferir quando a turma julgar o mérito do habeas corpus.


“O fumus boni iuris [fumaça do bom direito] está descaracterizado, na verdade, quer pela existência de três títulos condenatórios, emanados do juízo de primeiro grau, do TRF-4 e do STJ, seja também especialmente quando se discute a questão da revelação de fatos e eventos por aquele portal The Intercept Brasil, pela própria iliquidez daqueles fatos”, disse Celso.

“Em razão de seu conteúdo haver sido contestado pelo ex-juiz federal Sérgio Moro quanto à sua autenticidade, havendo ele afirmado –correta ou incorretamente, não vem ao caso– que essa ‘disclosure’ dos dados poderia ter sofrido edição ou até mesmo adulteração”, completou.

A avaliação de políticos adversários do PT ouvidos pelo jornal é que uma eventual soltura do ex-presidente poderia inflamar os atos previstos para o dia 30 a favor da operação Lava Jato e do ministro da Justiça. Grupos políticos e de magistrados afirmam ainda que o resultado deu prova de resiliência de Moro e da Lava Jato.


*Com informações da Folha de S.Paulo


GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem