Jornal GGN – A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal formou maioria contra a proposta de Gilmar Mendes de adiar o mérito do julgamento do habeas corpus que versa sobre a suspeição de Sergio Moro para depois do recesso do Judiciário e, até lá, conceder liberdade provisória ao ex-presidente Lula.

Por volta das 19h15, três dos cinco ministros que formam a turma se posicionaram contra a liberdade em caráter liminar: Edson Fachin, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

O GGN ESTÁ EM CAMPANHA NO SITE “CATARSE” PARA LANÇAR UMA SÉRIE DE REPORTAGENS E UM DOCUMENTÁRIO INÉDITO SOBRE PREVIDÊNCIA, TOMANDO AS CONSEQUÊNCIAS DA CAPITALIZAÇÃO NO CHILE COMO EXEMPLO DO QUE O GOVERNO BOLSONARO DESENHA PRO BRASIL. PARA SABER MAIS E APOIAR ESSE PROJETO, ACESSE: www.catarse.me/oexemplodochile


O ministro Ricardo Lewandowski votou para entrar no mérito do HC hoje. Mas afirmou que se ficasse vencido e o julgamento fosse adiado, ele apoiaria a liberdade imediata de Lula, assim como Gilmar.

A sessão foi encerrada sem análise da suspeição de Moro. Até agora, o placar sobre o mérito da ação está 2 x 0. Fachin e Cármen – que proferiram voto quando o julgamento do HC foi iniciado, em dezembro de 2018 – reafirmaram hoje que não vão mudar de posição por causa do dossiê do Intercept Brasil.

Celso de Mello afirmou que votar contra a liberdade provisória não é antecipar seu juízo a respeito da suspeição de Moro.

O ex-presidente continuará preso em Curitiba até que o julgamento seja retomado, depois do recesso do Judiciário, a partir de agosto. Não há data definida.



GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem