Era inocultável a militância anti-PT dos integrantes do Partido da Lava Jato nas redes sociais.

Faltavam, contudo, as provas documentais da atuação secreta deles no porão da Lava Jato – que o ministro do STF Gilmar Mendes compara a uma organização criminosa [OrCrim].

Os integrantes desta organização dedicavam-se com fervorosa obstinação ao esforço para impedir o que temiam ser o “risco” de retorno do PT ao Palácio do Planalto. A Lava Jato, então, foi transformada no bunker de Dallagnol e Moro para atacar Lula e o PT.

O efeito da militância partidária desses agentes públicos em conluio com a Rede Globo e a mídia suja foi expressivo tanto na eleição municipal de 2016 como na presidencial de 2018 – 2 momentos para conferir aparência de “normalidade institucional” do golpe e do avanço do regime de exceção.

Hoje já é bastante aceitável pela crônica política que o bombardeio Globo-Lava Jato na boca-de-urna para prejudicar o PT em 2016 influenciou aquele que acabou sendo um dos mais desfavoráveis desempenhos petistas em eleições municipais nos últimos 20 anos [ler em A vitória do banditismo].

Também já era público e notório o ataque de Sérgio Moro à candidatura de Haddad na eleição de 2018 com a divulgação surpreendente e sem motivo processual aparente, da delação fraudulenta do Palloci.


Estava faltando se conhecer e se comprovar outras atividades secretas dos demais integrantes da OrCrim.

Esse segredo foi agora revelado pelo Intercept no diálogo em que Deltan Dallagnol instrui colegas a acelerarem investigações contra o petista Jaques Wagner para prejudicar o desempenho eleitoral de Haddad na Bahia e no nordeste e, desse modo, evitar o risco da eventual derrota do Bolsonaro, o candidato deles.

Em conversa com parceiros em 24 de outubro de 2018, a apenas 4 dias antes do 2º turno da eleição, Dallagnol pergunta: “caros, Jaques Wagner evoluiu? É agora ou nunca… Temos alguma chance?”.


Atento às pesquisas que mostravam crescimento de intenções de voto no Haddad faltando 4 dias para a votação, Dallagnol explica que “Isso é urgentíssimo. Tipo agora ou nunca kkkk”.

Ao ser lembrado por uma colega que Jaques Wagner já tinha sido alvo infrutífero de outra operação abusiva da Lava Jato – fato que tornaria ineficaz o novo espetáculo – Dallagnol então insistiu: “Acho que, se tivermos outra coisa pra denúncia, vale outra busca e apreensão até por questões simbólicas. Mas temos que ter um caso forte”.

É importante frisar o interesse do Dallagnol em promover uma ação de interesse partidário por questões simbólicas!, para reforçar na população o vínculo do PT e do candidato Haddad com escândalos de corrupção.

Não se está mais somente diante de falhas funcionais graves cometidas por servidores públicos que, como cidadãos e cidadãs, têm plena liberdade de escolha política e militância partidária.

No caso concreto, está-se diante de crime praticado por agentes públicos do sistema judicial brasileiro que aparelharam as instituições e usaram seus cargos para combater inimigos políticos, favorecer aliados ideológicos para viabilizar um projeto de poder.

Esses procuradores e juízes que agiram como integrantes de uma organização criminosa, mafiosa, envergonham as carreiras públicas e todo o funcionalismo público do país.

Eles já deveriam estar afastados dos cargos públicos há muito tempo, inclusive para evitar que continuem destruindo provas que os incriminam [aqui] e para serem julgados e condenados à luz das normas do próprio Estado de Direito contra o qual eles conspiram para atingir fins políticos.



Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem