Marcos Archer, fuzilado na Indonésia em 2015 por transportar 13kg de cocaína

No ano de 2006, o então deputado federal Jair Bolsonaro aprovou na Câmara uma moção de congratulações e apoio ao governo da Indonésia por aquele país ter mantido a sua decisão de executar o brasileiro Marco Archer.

O brasileiro havia sido condenado à morte por ter sido preso em 2004 ao entrar na Indonésia com 13,4 quilos de cocaína escondida dentro de um tubo de asa-delta – ele era piloto nessa modalidade esportiva.

“Caso o Senhor Marco Archer fosse traficante com atuação apenas no Brasil, poderia ao longo de sua atividade levar à desgraça centenas de famílias, à morte dezenas de pessoas e viciar milhares de cidadãos. Esse traficante não tem nada a oferecer à sociedade brasileira a não ser envergonhar ainda mais o Brasil no exterior”, dizia o requerimento de Bolsonaro.

Marcos Archer ficou mais de uma década preso. Neste período, houve vários apelos de clemência, inclusive dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Apesar disso, ele foi fuzilado pelo governo da Indonésia há quatro anos.

Pragmatismo Político tratou do caso Marcos Archer em diversas ocasiões. Relembre:

Em 2015, quando o brasileiro foi executado, Jair Bolsonaro voltou a tocar no assunto, reforçando as congratulações ao governo da Indonésia pelo fuzilamento de Marcos Archer.

Quis o destino que, mais de dez anos depois daquele primeiro requerimento, Jair Bolsonaro estivesse ocupando a Presidência da República no momento da prisão de um sargento da Aeronáutica que transportava 39 kg de cocaína no avião presidencial reserva, em Sevilha (Espanha).

O episódio, que provocou vergonha internacional e uma crise inesperada no governo, estimula o seguinte questionamento: será que Bolsonaro manterá agora a mesma opinião que tinha em 2006 e em 2015?


Pragmatismo Político

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem