Bolsonaro chegou a editar e revogar decreto sobre armas no mesmo dia

Os novos decretos sobre posse e porte de armas editados pelo presidente Jair Bolsonaro não resolvem as ilegalidades previstas nas outras medidas sobre o mesmo assunto que foram revogadas. A opinião é da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal. Segundo nota técnica elaborada pelo órgão, as irregularidades se acumulam em praticamente todos os espaços regulados pelos decretos, como posse, compra, registro, tiro esportivo e munições. "De tal modo que resultaria impossível do ponto de vista da sistematicidade jurídica afastar apenas dispositivos específicos do ato regulamentar”, afirma a Procuradoria.

Por esse motivo, a nota técnica recomenda o “afastamento do ordenamento jurídico” de todos os decretos pertinentes ao tema, seja por iniciativa do Congresso, seja por meio do Supremo Tribunal Federal. “A situação aproxima-se de um caos normativo e de uma grande insegurança jurídica”, diz o texto, que ressalta que o governo chegou a editar e revogar no mesmo dia um dos decretos.

A Procuradoria considera, no entanto, que há dois pontos positivos nos decretos. A flexibilização do porte foi diminuída, assim como a quantidade de munições que podem ser compradas. Outros itens das normas preocupam os procuradores, principalmente, a manutenção da possibilidade de compras de fuzis, a extensão da posse para toda a propriedade rural e os limites de compra de armas e munições dos colecionadores, atiradores e caçadores.

Um grupo de senadores cogita, em vez de derrubar os decretos, como aprovou o Senado da vez anterior, aprovar um projeto de lei sobre o mesmo assunto, com uma versão mais suave. O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), já avisou que vai lutar pela revogação dos textos.


Congresso em Foco

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem