247 - O analista de sistemas Edward Snowden, que tornou públicos detalhes de programas que fazem parte do sistema de vigilância global da NSA americana, criticou a prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 47 anos, que aconteceu nesta quinta-feira (11) no Reino Unido.

"Imagens do embaixador do Equador convidando a polícia secreta do Reino Unido para dentro da embaixada para arrastar uma editora do jornalismo premiada para fora do prédio vão acabar nos livros de história. Os críticos de Assange podem aplaudir, mas este é um momento sombrio para a liberdade de imprensa", afirmou Snowden no Twitter.

Assange tornou-se conhecido mundialmente em 2010, quando o WikiLeaks publicou um vídeo de 2007 que mostrava helicópteros Apache, dos EUA, matando 12 pessoas em Bagdá, no Iraque, entre as vítimas, havia duas equipes de notícias da Reuters.

Também naquele ano foram divulgados mais de 90 mil documentos secretos com detalhes da campanha militar dos americanos no Afeganistão, seguido por quase 400 mil relatórios internos que descreviam operações no Iraque.

O Equador ofereceu proteção diplomática ao ativista há quase sete anos, quando o país era governado por Rafael Correa, que mora na Bélgica atualmente.

Snowden também repudiou a denúncia dos EUA contra Assange pelo crime de conspiração na tentativa de acessar um computador secreto do governo americano junto à ex-analista de inteligência do Exército dos EUA Chelsea Manning em 2010.

"A fraqueza da acusação dos EUA contra Assange é chocante. A alegação de que ele tentou (e falhou?) Ajudar a decifrar uma senha durante sua reportagem mundialmente famosa é pública há quase uma década: é o caso que o DOJ de Obama se recusou a cobrar, dizendo que o jornalismo está ameaçado".
Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem