Trump e Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR


Jornal GGN – “Quem faça contra uma só pessoa algo caracterizável como privação de socorro, está incurso no Código Penal e sujeito a pena de prisão. Governantes movidos pelos motivos mais idiotas e torpes fazem o mesmo contra milhões. Impunes, sob aplausos originários da imbecilidade e da baixeza”, conclui Janio de Freitas na coluna deste domingo (14), na Folha de S.Paulo.

O articulista se refere ao resultado de decisões do ex-presidente, Michel Temer, e do atual, Jair Bolsonaro, na saúde pública. O primeiro cortou o programa Farmácia Popular, de remédios gratuitos e descontos que atingiam 7 milhões de usuários, um quarto deles registrados como dependentes de ajuda para se tratar. O segundo, desmontou o papel do programa Mais Médicos, criado para garantir atendimento em cidades afastadas dos grandes centros urbanos, após ataques ideológicos que levaram à saída dos médicos cubanos.

Janio traz em destaque o depoimento a médica Ananda Conte ao jornalista Fabiano Maisonnave. na Folha de S.Paulo. A especialista conta que em 15 dias na Amazônia, região de Maturacá, fez 190 atendimentos clínicos entre partos, exames pré-natais e emergências. Após dois meses no Mais Médicos, ela decidiu se desligar por falta de condições materiais: além de falta de equipamentos em insumos, Ananda não recebeu salário.

Ela contou ainda que antes da ruptura do governo, a população dos ianomâmis, que ocupa extensa área na região, era atendida por 16 médicos, todos cubanos. A reportagem revela também que o governo Bolsonaro não conseguiu substituir os profissionais e as regiões do interior do país voltaram à desassistência.

“Desde o início do programa Mais Médicos viu-se o que se pressentia: médicos brasileiros, mesmo recém-formados, não se interessavam por trabalhar no interior, ainda que em cidades ou regiões aprazíveis. O programa jamais conseguiu preencher a quota de brasileiros”, pontua Janio de Freitas.

“Dos inscritos para substituir, com melhores condições, os cubanos devolvidos, 15% nem se apresentaram nos postos designados. De lá para cá, a substituição nunca se completou e a constante é o abandono. Ao governo, ou não importa, ou quer que assim seja”, completa.

O colunista aponta que o exemplo do desmonte no Mais Médicos é um ato criminal equivalente ao produzido por Donald Trump, presidente dos EUA admirado por Bolsonaro. O mandatário norte-americano estabeleceu a separação de pais e filhos presos por entrada ilegal no seu país.

A política desumana “tem causado mortes, transtornos psíquicos e males físicos em crianças retidas nos abrigos”. Como se não bastasse, o governo americano não informa aos familiares das crianças o local onde são alocadas, muitas delas em regiões desérticas.

“Trump não é e não se imagina que venha a ser cobrado, de maneira adequada, por tal ação contra a vida de milhares de crianças”. O mesmo acontece com Temer e Bolsonaro. O desmonte de políticas para a saúde, que atingem diretamente grande soma da população, agora em situação de sofrimento e risco de vida, não parece ser fator de preocupação do ex-presidente e do presidente, que fizeram decisões “sem qualquer medida preventiva, sem informação sobre as populações atingidas, sem se importar com as consequências”. Para ler a coluna de Janio de Freitas na íntegra, clique aqui.


GGN

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem