Assange é detido em Londres e EUA pedem sua extradição por ciberpiratariaREUTERS/Henry Nicholls/File Photo

O governo do Equador mobilizou seus ministros para defender a decisão do presidente Lenin Moreno de retirar o asilo diplomático do ex-ativista Julian Assange, detido nesta quinta-feira (11) em Londres, onde se refugiava na embaixada equatoriana havia sete anos. Moreno é acusado pela oposição de “trair o povo” ao se distanciar politicamente de seu antecessor, Rafael Correa, de quem foi vice.


Com informações do correspondente da RFI em Quito, Éric Samson

Foi durante seu mandato que Correa, de esquerda, consentiu o asilo e a nacionalidade equatoriana a Assange - o que lhe possibilitou escapar da prisão até agora. Mas desde que Moreno foi eleito e assumiu o poder, há quase dois anos, o líder se aproximou cada vez mais da direita do país – seu ministro da Economia é um grande empresário equatoriano.

A polêmica decisão de entregar Assange, que deve ser extraditado aos Estados Unidos para ser julgado, reflete essa mudança. Moreno e Correa romperam relações – o ex-presidente acusa o atual de ser “o maior traidor da história equatoriana”. Correa sustenta que a iniciativa de entregar Assange ocorreu para evitar que o WikiLeaks divulgasse documentosque provariam o envolvimento do presidente com corrupção.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, explicou na televisão a decisão de entregar Julian Assange à polícia britânica, em 11/04/2019.@lenin/via REUTERS

A versão de Quito é outra. O ministro das Relações Exteriores José Valencia sinalizou que o Equador estava insatisfeito com o comportamento do hóspede ilustre. “Julian Assange beneficiou do asilo na nossa embaixada em Londres, mas teve uma série de atitudes inamistosas e fez insinuações contra o país que o protegia. Ele acusou o Equador de atender aos interesses de potências estrangeiras e disse que os nossos diplomatas eram espiões, acusações absolutamente grotescas e falsas”, argumentou Valencia.


Tentativa de desestabilização


De sua parte, Quito também acusa de espionagem o WikiLeaks, fundado pelo australiano. O governo suspeita que Assange utilizou a organização para tentar desestabilizar o presidente. “Temos elementos sólidos que nos fazem pensar que integrantes do WikiLeaks estão no Equador. Pelo menos um suspeito está no país há anos e dois hackers russos participaram a atividades de desestabilização do governo e espionagens das comunicações”, alegou a ministra do Interior do Equador, Maria Paula Romo.

A ministra informou que esse suspeito, que pode ter sido preso ao tentar deixar o Equador nesta quinta-feira, estava em contato “regular” com aliados do ex-presidente Correa. Valencia ainda argumentou que declarações políticas de Assange a favor da independência da Catalunha e sobre as eleições na Austrália dificultaram ainda mais a permanência dele na representação diplomática em Londres. Seus comentários violariam as convenções de Havana e Caracas sobre o asilo diplomático, sublinhou o ministro.

Violações de direitos humanos


A Defensoria Pública do Equador desaprovou a entrega de Assange, afirmando estar “profundamente preocupada” com o término do asilo ao fundador do WikiLeaks. Em uma nota, a entidade alega que a decisão “limitou os direitos da nacionalidade, o princípio da não-devolução e as garantias do devido processo previstos na Constituição” e nos instrumentos internacionais de direitos humanos.




RFI

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem