Oposição e governistas têm novo embate nesta terça, na CCJ Cleia Viana / Câmara

O relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), deve fazer na tarde desta terça-feira (9), a partir das 14h30, a leitura de seu parecer sobre a constitucionalidade da proposta enviada ao Congresso pelo governo.

Os principais partidos de oposição na Casa já adiantam, no entanto, que tentarão barrar a proposta com o argumento de que o texto é inconstitucional. No colegiado não se discute o mérito da proposta, tarefa que será destinada a uma comissão especial para onde a reforma será encaminhada em seguida.

A bancada do PT, que conta com seis membros titulares na comissão, já definiu que apresentará um voto em separado contra a reforma. Segundo o deputado José Guimarães (PT-CE), os petistas vão dialogar com outros partidos críticos ao texto, como PDT, PSB e Psol para definir uma estratégia em comum. Na semana passada, na audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a oposição dominou quase todo o debate, já que poucos governistas usaram o microfone para defender a reforma.

"Essa PEC, além de ser uma perversidade do ponto de vista econômico e dos direitos, é eivada de vícios de inconstitucionalidade", afirma Guimarães. "Vai ter voto em separado, com certeza. Já temos mais de 15 inconstitucionalidades identificadas", completa o deputado João H. Campos (PSB-PE).

Deputados do PSB, assim como do PDT, têm reuniões marcadas para ocorrerem momentos antes da reunião da CCJ para definir de que forma vão combater o texto do governo. O relator da reforma na CCJ, Marcelo Freitas, já adiantou que seu parecer, de 53 páginas, vai apresentar uma conclusão única no sentido da admissibilidade da PEC.

Para seguir adiante, a reforma precisa ser aprovada na CCJ por pelo menos 34 dos 66 membros do colegiado. A votação, no entanto, só deve ocorrer na semana que vem, no dia 17, segundo os planos do presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR).

Pontos de discórdia


Um dos principais argumentos da oposição quanto à PEC é a desconstitucionalização do sistema previdenciário. Pela proposta do governo, algumas regras do regime deixarão de constar da Constituição de 1988 e passarão a ser regidas por leis. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) avalia que isso acarreta "insegurança jurídica" ao sistema de aposentadorias.

"Você não pode, na Constituição, retirar direitos", afirma o deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE). "A desconstitucionalização é retirada de direitos previstos na Constituição", acrescenta.

Integrantes da equipe econômica do governo contestam essa visão. "Não estamos propondo nenhuma redução de direito. O que se propõe é a retirada de minúcias constitucionais em que o mundo todo caminha nesse sentido" disse Bruno Bianco Leal, secretário-adjunto de Previdência do ministério da Economia, ao defender a PEC em audiência com juristas na CCJ, na última quinta (4).

Defensores da reforma de fora do governo reforçam essa tese. O economista Paulo Tafner, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), ressalta que políticas públicas estáveis, como o Bolsa Família, são garantidas por regras não constitucionais.

"Se fosse constitucional, o ex-presidente Lula não poderia ter feito o Bolsa Família tão facilmente. Ele teria de ter mudardpa Constituição. Foi simples. Ele fez facilmente. E ele permanece até hoje apesar de ser infraconstitucional", disse Tafner em uma audiência pública no Senado, no mês passado.


Congresso em Foco

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem