por Katia Passos

Desde o início de abril e quanto mais se aproximava o dia 7 pessoas do Brasil e do mundo levantaram de suas camas sem acreditar que a prisão de Lula estaria completando 1 ano no domingo passado.


Como assim? O cara está preso há um ano por “atos indeterminados”? Como assim? O juiz que o condenou, inventando que se pode condenar sem provas, rompendo os limites da lei e da Constituição, virou ministro de Bolsonaro? Como assim? Os que fizeram delações premiadas contra o Lula, e que não mostraram uma ínfima prova dos atos de que o acusam, estão aí, na boa, curtindo a vida e os milhões amealhados ilicitamente, enquanto o metalúrgico apodrece na solitária? Como assim? Já se provou que o triplex do Guarujá era um muquifo e que nunca foi do Lula, mas prevalece a versão fantástica da mansão que aquele imóvel nunca foi?

Os fatos que sucederam e antecederam a prisão são quase inacreditáveis. O Brasil é um país cheio de absurdos dentro da política, mas muito mais fantasmagórico fora dela, no cotidiano da vida, nas ruas, em espaços onde mulheres, negros, indígenas e tantas outras maiorias têm que lutar por Direitos por que, de maneira atroz, são sempre vistos como instrusos.

Vivemos hoje num Brasil da mais pura e descarada discriminação. Ricos, homens e brancos podem tudo, das coisas mais fúteis até as mais ilícitas e corruptas. Já o tal sistema chega e arrasa a terra para matar os pobres, os pretos, as mulheres, os LGBTs. É o Poder em ação. “Aqui manda quem pode, obedece quem tem juízo”, ele parecem dizer isso todo o tempo.


Mas esse Poder fede o mais fétido dos dores porque se constrói sobre o assassinato dos indesejados, dos matáveis, dos descartáveis.


“Lula Livre” é como o próprio Luís Inácio falou: “Na verdade, o que eles temem é a organização do povo que se identifica com nosso projeto de país. Temem ter de reconhecer as arbitrariedades que cometeram para eleger um presidente incapaz e que nos enche de vergonha.”

Moro e toda a sua corja de Dalagnóis são como aqueles mentirosos que mentem tanto que precisam mentir para sempre… Ou a máscara lhes cairá do rosto, revelando os monstros que eles são. É por isso que eles mantêm Lula sequestrado há um ano —-sem crimes, sem provas, por convicção. Sim, isso é um sequestro.

Quando usamos a palavra sequestro para descrever o caso de Lula, não nos referimos ao crime previsto no Código Penal. Falamos aqui do sofrimento e do simbolismo que esse cárcere, que hoje completa 365 dias, impõe ao país.


Moro pratica o sequestro dos sonhos de milhões de brasileiros que só queriam o direito de votar no presidente mais querido de todos os tempos. Todos sabem (Bolsonaro principalmente) que o capitão incompetente só ganhou a eleição porque Lula foi impedido pelo juiz ladrão.

Mas Moro já está derrotado moralmente pela força de mulheres e homens que caminham diariamente defendendo a Democracia, a liberdade do ex-presidente e colocando a nu a roubalheira que foi o seu julgamento.
Neste dia 7 de abril de 2019, estávamos ali na Vigília Lula Livre, em Curitiba. Vimos o sofrimento e a solidariedade de um povo que defende a Democracia porque é plasmado na generosidade, compaixão e amor.

Esses são sentimentos que o sequestrador de sonhos não conhece. Ele é movido a despeito, vaidade, inveja e cobiça, além daquela “forcinha” da CIA. Ele será por isso julgado pela História.



Infelizmente para Moro, a ideia que Lula representa continua firme e altiva. O Brasil precisa parar de passar vergonha. Precisa parar de enaltecer a morte e a violência. Precisa parar de passar o pano para Bolsonaro quando ele defende teses estapafúrdias e imorais, que constrangem até seus parceiros de extrema direita. Precisa voltar a ter esperança e alegria. Precisa retomar o orgulho de ser brasileiro. A prisão do ex-presidente precisa parar de matar de desgosto tanta gente que só quer ser feliz, trabalhar, colocar comida na mesa de seus filhos, ter saúde, educação e o direito a envelhecer com dignidade.

     

Por tudo isso, Lula Livre! E tem que ser pra já!\




Jornalistas Livres

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem