O ministro da Justiça de Bolsonaro, ex-juiz Sérgio Moro, assinou uma portaria colocando a Força Nacional de Segurança Pública para conter manifestações na Praça dos Três Poderes e na Esplanada dos Ministérios. A medida foi publicada às vésperas do Abril Indígena e do início das manifestações contra a Reforma da Previdência.

Na portaria Moro registra que o pedido partiu do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, comandado pelo general Augusto Heleno. Segundo Heleno, a medida é para “desencorajar violência em atos”.

As manifestações dos indígenas fazem parte do Acampamento Terra Livre (ATL), evento que ocorre todos os anos em Brasília, onde etnias de todo o Brasil se reúnem para reivindicar seus direitos. Neste ano, o acampamento está previsto para acontecer entre os dias 24 e 26 de abril.

O acampamento foi alvo de críticas de Jair Bolsonaro (PSL) na semana passada. O presidente se referiu ao evento como “encontrão” e disse que quem iria pagar a conta seria o “contribuinte”.

Para a líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), a medida de Moro é “absurda” e explicita o Estado de exceção que vive o Brasil.

“Mais de 30 dias de uso da Força Nacional de Segurança na Esplanada? Medida sem justificativa. Põe a democracia em risco ao ampliar a repressão no espaço de protesto! Isso é gravíssimo. Ato feito para impedir a liberdade de manifestação. É um Estado de exceção no Brasil. Não há argumentos.”

“Não sei se é pelo 1° de maio, pela manifestação dos índios, da educação. Mas não importa. Esta comissão tem que requerer informação a este governo”, criticou a parlamentar.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), diz que a medida não se justifica. Segundo ele, trata-se de uma ação contra as manifestações legítimas do povo. “É assim que Jair Bolsonaro e Sérgio Moro querem recepcionar a marcha indígena”, afirmou.

Moro não faz referências ao governo do Distrito Federal ou a uma possível atuação conjunta com a Secretaria de Segurança do DF ou com a Polícia Militar do DF, a quem sempre coube conter manifestações na Praça dos Três Poderes e na Esplanada. O contingente empregado ainda será definido pelo ministério.

O prazo para validade da medida é de 33 dias a contar desta quarta-feira (17). Mas a intervenção poderá ser estendida “se houver necessidade”.

As informações são do Portal Vermelho.




Blog do Esmael

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem