Aos poucos o judiciário vai se libertando do fetiche da delação premiada cujo instituto — plea bargaining — foi importado dos Estados Unidos e usado com abuso pela lava jato e pelo Ministério Público.

Dito isto, o ministro Rogério Schietti, da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao trancar uma ação penal contra o contador Luiz Rufato, no âmbito da Operação Publicano, afirmou que a delação é “meio de obtenção de prova”, e não “meio de prova”.

O ministro fez questão de frisar em sua decisão, ao conceder um habeas corpus ao paciente, que a jurisprudência do STJ e do Supremo Tribunal Federal (STF) são uníssonos no entendimento de que a mera acusação de delatar não é suficiente para instaurar ação penal, qual seja, a delação não pode ser considerada prova idônea.

Logo, no sentido lato da sentença de Schietti, as delações desprovidas de provas que levaram Luiz Inácio Lula da Silva à prisão também não nulas e ensejam a liberdade imediata do ex-presidente da República. O petista é mantido preso inconstitucional e político há um ano na Polícia Federal de Curitiba.

Sobre a Operação Publicano


De acordo com balanço da força-tarefa da Operação Publicano, liderada pelo Gaeco, o braço policial do Ministério Público, o esquema de corrupção na Receita Estadual deu prejuízo de R$1,8 bilhão aos cofres públicos do Paraná.

Em dezembro de 2016, o juiz Juliano Nanuncio, da 3ª Vara Criminal de Londrina, condenou 42 réus investigados no esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná.

Dentre os condenados está o ex-inspetor-geral de fiscalização da Receita Estadual, Márcio Albuquerque Lima, amigo e copiloto do ex-governador Beto Richa (PSDB) nas corridas de 500 Milhas de Londrina, cuja sentença foi 97 anos de prisão.

O próprio ex-governador Beto Richa era investigado pelo STJ desde março de 2016. Ele teria sido beneficiado na campanha de reeleição com dinheiro oriundo de propina da Receita Estadual, segundo o MP.

Em março de 2018, no entanto, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) trancou a investigação contra o tucano.

Na época, só para citar um exemplo, o ministro Celso de Mello, decano do STF assim votou no colegiado: “Defendo a absoluta ineficácia das provas resultantes do ato de colaboração com a consequente extinção da investigação”.




Blog do Esmael

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem