Para Marco Feliciano, vice-presidente é desleal e conspira contra Bolsonaro. Mourão não comenta Vinicius Loures/Ag. Câmara

Um dos vice-líderes do governo no Congresso, o deputado Pastor Marco Feliciano (Podemos-SP) deu entrada nesta terça-feira (16) a um pedido de impeachment contra o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Para o deputado, Mourão tem “conduta indecorosa, desonrosa e indigna" e conspira contra o presidente Jair Bolsonaro.

"A nação não pode ficar à mercê dos maus governantes, da vaidade e do despreparo emocional daqueles que alçados a cargos de relevo se deslumbram com o poder", escreveu o pastor no documento. Mourão respondeu ao Congresso em Foco, por meio de sua assessoria, que não vai comentar o assunto. Os motivos listados pelo deputado para embasar seu pedido vão desde a curtida do vice-presidente em um comentário crítico a Bolsonaro nas redes sociais às suas posições no campo moral diferentes das manifestadas pelo presidente e pela bancada evangélica, como no caso do aborto. "Deve ser uma decisão da mulher", defendeu o vice.

A reportagem também procurou o deputado, mas ele não retornou os contatos. São mínimas as chances de o pedido prosperar, já que precisa do aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para começar a tramitar.

Olavo de Carvalho


O pedido foi redigido, segundo Feliciano, no voo que o trouxe nessa segunda dos Estados Unidos a Brasília. O deputado se encontrou com o escritor Olavo de Carvalho, chamado por ele de “grande mestre” do pensamento conservador.

Em vídeo publicado nas redes sociais no fim de semana, Feliciano diz que Deus e Olavo foram os principais responsáveis pela eleição de Bolsonaro. “Devemos essa mudança no Brasil a Deus, a quem o senhor teme, e ao senhor”, disse o deputado ao escritor, que tem travado queda de braço no governo com os militares.

Em março Olavo chamou Mourão de “um cara idiota”. O vice respondeu, ao ser questionado sobre a declaração por jornalistas, mandando um “beijinho” para o polêmico influenciador intelectual dos filhos de Bolsonaro.

Na semana passada, Feliciano cobrou uma postura “digna e leal” de Mourão em relação ao presidente da República. “Atuo como vice-líder do Governo no Congresso Nacional e já avisei por aqui o general Mourão. Ou começa a ter uma postura digna e LEAL ao presidente Jair Bolsonaro, ou eu mesmo vou protocolar um pedido de impeachment, por comportamento indecoroso”, tuitou o deputado.

Curtida da polêmica


Ainda semana passada, ele questionou a presença do vice-presidente em um evento nos Estados Unidos e também o criticou por ter curtido no Twitter uma publicação, sobre o assunto, da jornalista Rachel Sheherazade com crítica a Bolsonaro. O convite da palestra em Harvard dizia que o Brasil está atravessando “sucessivas crises” criadas pelo núcleo duro do presidente e apresentava Mourão como um contraponto.

“Palestra de Mourão em Harvard. Finalmente um representante do governo não nos causa vergonha alheia. Muito pelo contrário: o vice mostrou como ele e o presidente são diferentes: um é o vinho, o outro o vinagre”, escreveu a jornalista, que um dia já foi aliada de Bolsonaro e hoje é sua crítica.

“Vejam, não bastasse Mourão chancelar com sua presença todas as barbaridades que estavam escritas no convite de sua palestra no Wilson Center (inclusive que era melhor alternativa q o presidente Jair Bolsonaro), agora curte tuíte da jornalista que critica o presidente”, reclamou Feliciano nas redes sociais.

Rachel retrucou: “Surpreende-me um Pastor Evangélico, que deveria ser, antes de tudo, um pacificador, incitar a militância bolsonarista truculenta contra o vice-presidente Mourão. Lamentável sua postura, Marco Feliciano. Que Deus o perdoe!”

"Somos amadores"


O deputado assumiu uma cadeira na vice-liderança do governo no Congresso dias após fazer duras críticas à articulação governista e ao próprio vice-presidente.

Em tom de aconselhamento a Bolsonaro, Feliciano afirmou que a comunicação do governo estava péssima, que ministros estavam deslumbrados com o poder, que parlamentares aliados eram despreparados, que Mourão produzia "um incêndio amigo" a todo segundo e que o presidente estava sendo "espancado diariamente" na Câmara. "Amigos, a esquerda é profissional e, me perdoem, somos amadores", escreveu no Twitter no início de março.




Congresso em Foco

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem