247 - O ministro Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, discursou no encerramento do segundo dia do VII Fórum Jurídico de Lisboa, nesta terça-feira (23). Sem citar nomes, Gilmar Mendes fez duras críticas ao que chamou de "partido da polícia" e afirmou que há um "massacre" do Judiciário nas redes sociais. Segundo ele, é preciso conter os "abusos que se perpetram" no Brasil.

"Não é difícil se transformar força-tarefa em milícia. É um passo, é a falta de limites. Assim se constrói o caminho para a desinstitucionalização. Temos que voltar à ortodoxia. Vamos respeitar aquilo que está no texto constitucional", defendeu.

O ministro falou sobre as funções do Poder Judiciário na democracia e voltou a criticar o vazamento de informações sigilosas.

"Quantos casos tivemos de eleições decididos pela polícia, pelo Ministério Público, pelos juízes que determinam busca e apreensão? Isso não é normal e precisa ser denunciado", ressaltou Mendes.

De acordo com o ministro, juízes não são "sócios do delegado ou do procurador". "Aquilo que o meu amigo Reinaldo de Azevedo chama de 'o partido da polícia' não é normal. É o engendramento de um nazifacismo", completou ele, se referindo ao termo utilizado pelo jornalista Reinaldo Azevedo, que já chamou o ministro Sérgio Moro de "representante máximo" do Partido da Polícia.

O ministro disse ainda que no ambiente político do Brasil, conceder habeas corpus contra prisão indevida passou a ser "heróico". "Isso é heterodoxo. Negar habeas corpus a quem tem direito porque eu quero me acovardar é o caminho para a barbárie", definiu.




Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem