O superintendente da PF no Paraná, delegado Luciano Flores Lima, tentou sabotar a entrevista de Lula aos jornais Folha de SP e El País, recém-autorizada pelo STF. Lima quis abrir a entrevista a veículos de direita para os quais Lula não concordou em dar entrevista. Esse delegado fez isso a mando de Moro, mas ele e o chefe se deram mal.

A denúncia foi feita no começo da tarde de quinta-feira, 25 de abril, pelo site do ex-presidente Lula.

Ao organizar o encontro com Lula, o superintendente da PF no Paraná, Luciano Flores Lima, havia decidido autorizar a presença na entrevista de jornalistas de outros veículos, citando a necessidade de respeitar “direitos constitucionais relativos ao livre exercício da profissão e liberdade de imprensa”.

A defesa de Lula alegou que dar “publicidade de atos administrativos que não estiverem sob necessidade desrespeitaria os dois veículos que permaneceram por sete meses sem conseguir fazer a entrevista por causa de uma liminar expedida por outro ministro do STF, Luiz Fux.

A defesa do ex-presidente Lula, então, recorreu ao Supremo Tribunal Federal com um pedido de liminar alegando que Lula tem o direito de dar entrevista EXCLUSIVAMENTE para quem quiser e, não, para quem o chefe da PF paranaense quiser, pois órgãos de imprensa de extrema-direita como o Antagonista iriam se beneficiar arrancando de Lula entrevista que ele jamais daria.

Por sorte de Lula e da democracia, a jogada do superintendente da Polícia Federal do Paraná não deu certo; o ministro do STF Ricardo Lewandowski acabou com a festa ao determinar que só os jornais autores do pedido de liminar feito durante a campanha eleitoral do ano passado para entrevistar Lula teriam direito de participar da entrevista.

Mas qual é a desse delegado Flores de Lima? Por que tomou atitude tão absurda de querer estender a veículos que atacam Lula uma entrevista que ele jamais daria a tais veículos?

Não é preciso pensar muito para supor o autor dessa molecagem. Quem manda na Polícia Federal? É óbvio: após o presidente da República, o chefe da Polícia Federal é o ministro da Justiça, Sergio Moro. Mas não é só isso.

O delegado Luciano Flores de Lima foi recrutado por Moro com uma missão bem específica.


Moro nomeou delegados da Polícia Federal com os quais já trabalhou, como Luciano Flores de Lima. Ele foi superintendente da Polícia Federal de Mato Grosso do Sul, é delegado da PF desde 2002 e entre 2014 a 2016 atuou na Lava Jato. No último ano (2017), exerceu o cargo de delegado regional executivo da Superintendência da Polícia Federal no Espírito Santo.

*Com informações do Blog da Cidadania


A Postagem

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem