Petrobras anuncia aumento de R$ 0,10 no preço do diesel


Segundo o CEO da companhia, reajuste representa uma alta entre 4,5% e 5,1% no valor do combustível nas bombas, a depender do ponto de venda

do Infomoney

SÃO PAULO – A Petrobras anunciou na noite desta quarta-feira (17) um reajuste de R$ 0,10 no litro do diesel, o que, segundo o CEO da companhia, Roberto Castello Branco, representa uma alta entre 4,5% e 5,1% no valor do combustível nos pontos de venda da companhia.

Com a notícia, os ADRs da estatal negociados em Nova York dispararam 3%.

Em coletiva, o executivo disse que a empresa não teve perdas com o adiamento do ajuste do preço do diesel e que isso se deu, em partes por sua política de hedge, sendo que foi o preço do frete marítimo que permitiu este reajuste menor.

Castello Branco defendeu em sua fala a abertura do mercado de combustíveis do país, bandeira defendida também pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O monopólio é incompatível com a sociedade livre. Não é bom para economia e nem para o monopolista. Queremos competição, quero a Petrobras mais forte e pronta para competir”, afirmou o CEO da estatal.

Sobre a periodicidade dos reajustes, o executivo disse ainda que será flexibilizado “para quando achar importante ter”. Segundo ele, a Petrobras segue livre para definir os preços dos combustíveis: “a palavra final é minha”. Hoje os reajustes são feitos com intervalo mínimo de 15 dias.

Após anunciar um aumento de 5,7% no preço do diesel na última quinta-feira, a estatal voltou atrás no mesmo dia após o presidente Jair Bolsonaro ligar para o CEO da petrolífera, Roberto Castello Branco, e pedir a suspensão do reajuste.

Na sexta, as ações da companhia desabaram 8%, levando a empresa a perder R$ 32,4 bilhões de valor de mercado.

Já na última terça, ocorreu uma reunião entre Bolsonaro, ministros e o presidente da Petrobras. Após o encontro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o presidente pensou na dimensão política do reajuste quando ligou para o chefe da estatal.

Além disso, o ministro afirmou que estão em estudo várias alternativas para dar mais transparência à política de reajuste de combustíveis da Petrobras, entre elas indexar o preço do frete ao valor do diesel.

Ele citou que essa é a política utilizada nos Estados Unidos e disse que foram feitas “interrogações” à Petrobras durante a reunião com o presidente Jair Bolsonaro.

“Tudo tem que ser estudado para o futuro, o presidente da Petrobras já estava estudando. Esse episódio precipita a aceleração de estudos”, ressaltou Guedes. “O próprio presidente da Petrobras está recalculando quais seriam as melhores praticas”.

PS do Viomundo: O “mercado” sabe que a frase ‘o monopólio é incompatível com a sociedade livre’ significa o esquartejamento da Petrobras, que será reduzida a furar poços. Exxon, Chevron, BP e as estatais que controlam a maior parte do petróleo do mundo vibram! É raríssima hoje a oportunidade de acesso a fontes provadas de petróleo por uma barganha. Como diria aquele antigo personagem de humor, brasileiro é tão bonzinho. Uma das lideranças dos caminhoneiros ameaçou greve: “Se o diesel aumentar um centavo que seja e não houver efetiva fiscalização da aplicação do piso, a gente para no dia 21, quando a greve do ano passado completará um ano”, disse Wanderlei Alves, do Paraná. É muito mais provável que os caminhoneiros sejam duramente reprimidos do que Guedes e seu time desistam de esquartejar a Petrobras, deixando o preço do diesel e da gasolina flutuar — ou seja, subir — ao gosto do “mercado”.


Viomundo

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem