Reportagem do jornal Folha de S. Paulo mostra que após uma tramitação de exatos 26 dias, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados passa esta semana à discussão do mérito constitucional da “reforma” da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro. Mesmo com um tempo mais arrastado do que o comum ― ano passado, o então presidente Michel Temer conseguiu passar seu projeto [que fracassou] por essa mesma etapa em apenas seis dias ―, a expectativa dos que são favoráveis à “reforma” é que o texto seja admitido pela CCJ ainda antes do feriado, o que deve ocorrer entre terça e quarta-feira.

Primeiro e mais simples passo na aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) como a da “reforma” da Previdência é a admissibilidade do texto por parte do colegiado que compõe a CCJ. Para isso, pelo menos 34 dos 66 deputados que compõem a CCJ precisam votar favorável a continuidade da tramitação. A votação só acontece, entretanto, se houver um quórum de, no mínimo, 34 deputados (metade+1 do total de cadeiras), o que fez com que a data do pleito de admissibilidade fosse adiantada de quarta-feira para terça-feira. O problema é que a comissão estará dividida entre dois temas esta semana.

Cedendo a uma demanda do Centrão ― que reúne partidos como o Solidariedade, PR, PP, DEM, PRB ―, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), pautou a análise do Orçamento Impositivo para antes da Previdência. Ele garante que dá tempo de resolver os dois assuntos na semana. Aprovada pelo Congresso no final de março, a PEC do Orçamento Impositivo ― que passará novamente pela CCJ porque a versão aprovada sofreu modificações ― obriga o executivo a destinar o dinheiro da União com emendas de bancada, ou seja, com projetos de estruturação (saúde, educação, etc) nos estados.

No caso da “reforma”, pontos polêmicos, como o Fundo de capitalização, o benefício de prestação continuada (BPC) e a aposentadoria para professores devem alongar a tramitação da pauta. A Folha lembra que uma “reforma” proposta por FHC, por exemplo, já chegou a ficar 138 dias sob a análise da comissão especial. O tempo máximo de apreciação nesta etapa pode durar entre 10 e 40 sessões. Só depois o projeto vai a Plenário da Câmara e, depois, do Senado.

Temer

Com pouco mais de três meses de governo, Bolsonaro não tem mais o forte apoio do mercado financeiro como tinha logo depois de sua eleição. Havia uma expectativa generalizada nesse setor de que as “reformas” seriam emplacadas rapidamente. A da Previdência era esperada para abril. Algo como ocorreu com o governo do golpista Michel Temer, que conseguiu aprovar, a toque de caixa, a “reforma” trabalhista e a Emenda Constitucional 95.

Apenas dois partidos decidiram votar em bloco a favor da proposta do governo: o Novo e o PSL. Levantamento Folha revela que mesmo assim as siglas resistem a fechar questão — ato que força os parlamentares a votarem de acordo com a orientação do partido. Quem descumprir a decisão pode ser punido ou até expulso da legenda. Juntos, PSL e Novo têm 62 votos na Câmara —o governo precisa do apoio de 308 dos 513 deputados para passar a PEC. O debate em torno das mudanças nas regras de aposentadorias no Congresso vai além da economia. Os impactos políticos também contam.





Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem