Fabrício Queiroz, Foto Reprodução/SBT Brasil

Fabrício Queiroz, o miliciano que trabalhava no gabinete do então deputado Flavio Bolsonaro na Assembleia do Rio e recolhia parte do salário dos funcionários do gabinete, completa hoje quatro meses de sua alta do Hospital Israelita Albert Einstein.


Neste período, Queiroz zombou dos procuradores do Ministério Público e da população em geral. Não compareceu as quatro audiências para as quais foi convidado; em entrevista combinada disse que sua pequena fortuna era fruto da venda de carros; apareceu em um vídeo dançando no hospital e, mais recentemente, enviou um depoimento por escrito ao MP sem pé nem cabeça.

E Queiroz continua solto. Sabe-se lá onde.
Lauro Jardim, de “O Globo”, diz que ele está “em São Paulo em paradeiro desconhecido”.
Paradeiro desconhecido não é necessariamente em São Paulo. Pode ser em qualquer outro local como, por exemplo, a comunidade de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro – matriz do comando miliciano, onde Queiroz já explorou o transporte de vans. Pode ser também no exterior, já que nem mesmo o seu passaporte foi recolhido.

Elio Gaspari costuma dizer que o Ministério Público “não tem pressa, tem perguntas”.
Passado todos esses meses, fica claro que pressa os procuradores não tem mesmo.
Se tem perguntas, o que transparece é que eles preferem não fazê-las.

Queiroz, que teria extirpado um câncer do intestino – embora nenhum órgão de imprensa tenha tido a curiosidade, até hoje, de conversar com os médicos que o atenderam – estaria sendo submetido a quimioterapia.
Mas e sua mulher?
E suas filhas?

Flavio Bolsonaro e Queiroz

E os funcionários do gabinete de Flavio Bolsonaro?
Todos devolviam praticamente todo o salário que recebiam para o motorista de araque.
Uma das filhas de Queiroz trabalhava como personal trainer no Rio, e servia no gabinete de Jair Bolsonaro, em Brasília, a 1.200 quilômetros de distância. E não faltou um único dia.
Há meses todos sumiram.

Mas quem banca hoje o sustento dessas famílias?
Afinal, durante todos os anos em que eles serviram como laranjas, nem mesmo uma poupança foi possível fazer.
O que fazem os órgãos de inteligência do governo, especialmente a Polícia Federal e seu comandante o ex-juiz Sergio Moro?
Queiroz depositou um cheque na conta da primeira-dama do país.
Ele empregou assassinos no gabinete do filho do Presidente da República.
Será que nada disso merece uma investigação?
A Polícia Federal, obviamente, nada tem de incompetente. O Ministério Público muito menos.
O que ambos estão aprofundando não é a investigação.
É a seletividade.






Os Divergentes

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem