O governo de Jair Bolsonaro tentar ganhar tempo para evitar uma nova greve dos caminhoneiros, prevista para o mês de maio, e anunciou uma linha de crédito no BNDES de R$ 30 mil por profissional para a compra de pneus e insumos. Sobre o preço do óleo diesel, a principal demanda da categoria, o governo não apresentou nenhuma medida.

Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o benefício terá um limite de R$ 30 mil por profissional, a ser financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Estamos finalizando os detalhes, mas neste primeiro serão liberados R$ 500 milhões para estes financiamentos. O beneficio será concedido para profissionais autônomos com até dois caminhões”, adiantou Onyx. Segundo o chefe da pasta, o dinheiro deverá ser usado para serviços de manutenções dos caminhões.

Segundo o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes, o grande desafio deste governo será garantir trabalhos para os caminhoneiros autônomos. “O nosso foco agora é garantir que esses autônomos tenham trabalhos. O Brasil entrou numa recessão e estes profissionais precisam ter garantia de sustento”, prometeu.

Sobre a principal demanda dos caminhoneiros, a política de reajuste dos preços do óleo diesel da Petrobras, o governo não apresentou nenhuma medida. Sobre o assunto, o ministro Onyx Lorenzoni afirmou que o Planalto irá se reunir com integrantes da Petrobras para tratar do assunto.

“O preço do combustível é uma das demandas da categoria, porém a Petrobras tem autonomia para praticar os preços que quiser. O que vamos fazer e sentar com eles para analisar possíveis mudanças”, destacou o ministro.


Blog do Esmael

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem