Foto Orlando Brito

Houve um tempo em que o principal salão do Palácio do Planalto, onde são realizadas as grandes solenidades, era chamado pelos jornalistas de Cabo Canaveral – tal o número de “lançamentos” de novos programas, projetos e iniciativas governamentais que se fazia ali, alguns sérios, outros claramente factóides para ocupar a mídia e levantar popularidades derrubadas. Hoje, vejo que fomos injustos com Fernando Henrique, Lula e Dilma. Em cem dias, o Cabo Canaveral de Jair Bolsonaro – ou, quem sabe, sua Base de Alcântara – lança mais foguetes do que qualquer um.


O risco do governo é que, lançados ao mesmo tempo, esses foguetes podem se chocar uns com os outros, acabando todos espatifados. Em vez de melhorar a popularidade que Bolsonaro vem perdendo a olhos vistos, podem virar agendas negativas. Até porque muitos desses anúncios dependem da aprovação do Congresso e de uma base parlamentar ainda inexistente.

Para comemorar os cem dias de governo, Bolsonaro está anunciando hoje o pagamento de 13 salário para as 14 milhões de famílias do Bolsa Família – só que, para isso, os beneficiários vão ficar sem reajuste este ano. O agrado ao andar de cima também veio nesta quinta, com a assinatura do projeto que prevê a independência do Banco Central.


Ao mesmo tempo, a equipe econômica trabalha numa medida provisória para simplificar a burocracia dos empresários, fala todos os dias no modelo de reforma tributária que vai apresentar e ressuscita a ideia de enviar ao Congresso a PEC da desvinculação orçamentária. Ao que parece, sem considerar que a prioridade das prioridades do Planalto, a reforma da Previdência, anda patinando na CCJ da Câmara.

Em vez de voltar as energias para resolver os problemas do Centrão, sempre fiel à velha fórmula de criar dificuldades para vender facilidades, o governo atira em todas as direções ao mesmo tempo – inclusive no próprio pé.

Caso da Previdência dos militares, enviada separadamente com uma reestruturação de carreira e aumentos que não estão sendo bem recebidos no Legislativo. A situação vai piorar quando chegar lá a LDO do ano que vem prevendo reajuste para uma única categoria do serviço público: sim, eles mesmos, os militares.

Sem tocar na medida provisória da reorganização administrativa do Esplanada, que corre risco de acabar retalhada e até ontem, com a indicação do líder governista Fernando Bezerra Coelho, não tinha sequer relator. Entre as mudanças planejadas pelos parlamentares, está a volta do Coaf do Ministério da Justiça de Sérgio Moro para a Fazenda, hoje Economia.


Por falar em Moro, seu vistoso foguete com mudanças na legislação penal de combate à corrupção e à violência, empacou numa comissão especial da Câmara e tenta andar no Senado. Difícil, pois na Casa de Renan Calheiros e outros o projeto de lei do abuso de autoridade tem muito mais chances.

Ao fim e ao cabo, assiste-se a um governo meio desesperado com a perda de popularidade e os desgastes crescentes em tão pouco tempo de governo. Bolsonaro parece lançar tantos foguetes ao mesmo tempo para distrair o distinto público. Não vai demorar para a platéia descobriu que não vão atingir o alvo.






Os Divergentes

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem