Para o presidente da Câmara, Onyx tentou impedir sua reeleição. Foto: Agência Brasil


Um áudio atribuído ao ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, levanta a suspeita de que o governo estaria interferindo na política de preços de combustíveis praticada pela Petrobras pelo menos desde março. Na conversa com um dos líderes do movimento dos caminhoneiros, o ministro afirma:“já demos uma trava na Petrobras, qualquer modificação de preço, no mínimo dentre 15 ou 30 dias de avaliação, não pode ter menos do que isso”.

As informações e áudio foram publicados nesta sexta-feira pela revista Veja e pelo jornal O Globo. A conversa teria ocorrido no dia 27 de março, duas semanas antes do presidente Jair Bolsonaro pedir para que a estatal revisasse o aumento de mais de 5% do diesel, em 11 de abril. Um dia antes da mensagem de áudio aparentemente trocada pelo ministro e lideranças dos caminhoneiros, a Petrobras havia anunciado uma mudança na periodicidade para reajustes do óleo diesel. O combustível não seria mais reajustado em períodos inferiores a 15 dias. Essa seria a ‘trava’ a qual o ministro se refere no áudio.

O áudio tem cerca de um minuto e meio de duração e o ministro da Casa Civil começa argumentando que o presidente Jair Bolsonaro está comprometido com a pauta dos caminhoneiro. “Nós estamos trabalhando, o presidente está focado, tem várias coisas bacanas que nós estamos trabalhando para a categoria, para dar condição para que o caminhoneiro autônomo tenha o seu direito respeitado, seja valorizado, nós estamos trabalhando muito”, comenta o ministro.

A Casa Civil foi procurada pela imprensa e informação que não vai comentar o áudio.


Congresso em Foco

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem